INE confirma inflação de julho em 9,1%, valor mais alto desde 1992 (com áudio)

Há quase 30 anos que os preços em Portugal não subiam tão rapidamente, confirmou esta quarta-feira o INE. A energia continua a ser o principal motor desta evolução, enquanto os bens alimentares não-transformados também vão acelerando.

O INE confirmou esta quarta-feira a inflação de julho em 9,1%, o valor mais elevado desde novembro de 1992 e um aumento em relação aos 8,7% registados no mês anterior. Este valor fica em linha com a estimativa rápida do gabinete nacional de estatísticas lançada no início de agosto.

Em cadeia, o indicador apresentou uma variação nula, enquanto o valor subjacente, ou seja, ignorando as categorias energética e de produtos alimentares não-transformados, acelerou em termos homólogos para 6,2%.

A energia mantém-se como o principal motor da subida generalizada de preços na economia portuguesa, com 31,2% de inflação nesta categoria. Já os bens alimentares variaram 13,2% em relação a igual período do ano passado.

Olhando para o índice harmonizado de preços no consumidor (IHPC), o indicador de referência para as instituições europeias, este está já em 9,4%. É o valor mais elevado desde que se iniciou esta série temporal, em 1996.

Recomendadas

Um quarto dos desempregados europeus encontrou trabalho entre abril e junho

Cerca de 3,3 milhões de europeus que estavam desempregados no arranque no ano encontraram um novo trabalho entre abril e julho. Esse universo é superior ao número de empregados que ficaram sem o posto de trabalho.

União Europeia aprova em definitivo lei sobre salários mínimos adequados

O aval dos 27 ocorre depois de, em 14 de setembro passado, o Parlamento Europeu ter aprovado em Estrasburgo por larga maioria (505 votos a favor, 92 contra e 44 abstenções) a nova legislação, que os Estados-membros terão agora dois anos para transpor para o direito nacional.

Comprar casa está mais caro em 17 capitais de distrito no terceiro trimestre

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro comprar casa, a custar 5.002 euros por metro quadrado e nos segundo e terceiro lugares estão o Porto (3.133 euros/m2) e o Funchal (2.552 euros/m2).
Comentários