Inflação atinge máximos desde 1993 (com áudio)

O INE estima que a taxa de variação homóloga do índice relativo aos produtos energéticos se situe em 26,7% (19,8% no mês precedente) enquanto o índice referente aos produtos alimentares não transformados terá apresentado uma variação de 9,5% (5,8% em março), valor mais alto desde maio de 1985.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) antecipa que a inflação terá aumentado para 7,2% em abril (5,3% em janeiro), a percentagem mais elevada desde março de 1993. Por sua vez, as estimativas do INE reveladas esta sexta-feira, 29 de abril, apontam para que o indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) registe uma variação de 5,0% (3,8% no mês anterior), o registo mais elevado desde setembro de 1995.

O INE estima que a taxa de variação homóloga do índice relativo aos produtos energéticos se situe em 26,7% (19,8% no mês precedente) enquanto o índice referente aos produtos alimentares não transformados terá apresentado uma variação de 9,5% (5,8% em março), valor mais alto desde maio de 1985.

Adicionalmente e, em comparação com o mês anterior, a variação do IPC ter-se-á fixado em 2,2% (2,5% em março e 0,4% em abril de 2021), segundo o gabinete de estatísticas nacional. “Estima-se uma variação média nos últimos doze meses de 2,8% (2,2% no mês anterior)”.

Os dados definitivos referentes ao IPC do mês de fevereiro de 2022 serão publicados no próximo dia 11 de maio.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Fórum Seguros: “Dinheiro gerado deve ser investido em fundos que contribuem para a neutralidade carbónica”

Sofia Santos sublinhou o papel que as seguradoras têm, tendo em conta os riscos de transição, para ajudar os seus clientes a incorporar os riscos climáticos através dos produtos apresentados.

Preços na produção industrial aumentaram mais de 24%

Segundo o INE, o resultado deveu-se à “evolução dos preços da Energia e dos Bens Intermédios”.
Comentários