INE estima taxa de desemprego de 11% em agosto

O valor definitivo de julho foi revisto para 10,9%, menos dois pontos percentuais face ao valor que tinha sido anunciado.

Rafael Marchante/Reuters

A taxa de desemprego provisória de agosto situou-se em 11%, tendo aumentado uma décima face ao valor definitivo de julho e diminuído  0,2 pontos percentuais em relação ao valor definitivo de maio, avança hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O valor definitivo de julho foi revisto e está agora em 10,9%, menos dois pontos percentuais face ao que havia sido estimado.

O INE publica dados sobre a taxa de desemprego mensais e trimestrais, sendo que os dados mensais publicados são sempre sujeitos a revisão. Daí haver uma taxa provisória mensal que, no mês seguinte, é sujeita a uma atualização.

O valor provisório de julho avançado há um mês pelo INE foi de 11,1% e é agora revisto na informação disponibilizada hoje para 10,9%. Quanto a agosto, os dados publicados hoje apontam para uma taxa provisória mensal de 11%, que ainda será revista no próximo destaque do INE.

Segundo a taxa provisória de agosto, a população desempregada aumentou 0,4% (2 mil pessoas), para 561,8 mil desempregados, face ao valor definitivo de julho. Comparando com o valor registado há três meses, houve uma redução de 1,9% (menos 10,8 mil pessoas desempregadas).

Já a taxa definitiva de julho, que se situou em 10,9%, registou uma quebra de 0,2 pontos percentuais face ao mês anterior e de 0,7 pontos face a três meses antes, “prosseguindo-se a trajetória descendente que se verifica desde fevereiro de 2016”, avança o INE.

Em julho havia assim 559,8 mil pessoas desempregadas, menos 1% comparando com junho, ou seja, menos 5,5 mil pessoas. O emprego aumentou 0,5% em julho face a junho, havendo mais 22,5 mil pessoas empregadas.

Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.
Comentários