INE: Taxa de juro subiu para 1,328% em outubro. Capital em dívida e prestação mensal também aumentaram

Num boletim publicado esta quarta-feira, o INE explica que, nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro foi de 2,061%, o que corresponde a uma subida de 28,6 p.b. face a setembro. 

A taxa de juro implícita dos contratos de crédito à habitação subiu para 1,328% em outubro, um aumento de 18,4 pontos base (p.b.) em relação ao registado em setembro, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Num boletim publicado esta quarta-feira, o INE explica que, nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro foi de 2,061%, o que corresponde a uma subida de 28,6 p.b. face a setembro.

“No mês em análise, o capital médio em dívida aumentou 424 euros, fixando-se em 61 513 euros. A prestação média fixou-se em 279 euros em outubro, traduzindo uma subida de 7 euros face a setembro e 28 euros (11,2%) comparativamente com outubro de 2021. Nos contratos nos últimos 3 meses, o valor médio da prestação aumentou 18 euros, para 489 euros”, detalha o INE.

De acordo com o INE, “a subida das taxas de juro nos últimos meses, tem levado ao aumento significativo do valor médio da prestação do crédito à habitação”, sendo que, em outubro, a prestação média para “aquisição de habitação” foi 18,7% superior à do mês homólogo, enquanto o IPC registou uma taxa de variação de 10,1%.

No mês passado, mais de 75% de contratos de crédito à habitação tinham uma prestação entre 100 e 400 euros mensais e apenas 5% tinham uma prestação superior a 630 euros.

Quanto ao destino de financiamento Aquisição de Habitação, “o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos subiu para 1,342% (+18,2 p.b. face a setembro)”.

 

Recomendadas

JE Bom Dia: Inflação, desemprego, turismo e contas nacionais fornecem retrato da realidade portuguesa

Lá fora, é conhecida a taxa de desemprego em novembro na Alemanha, a criação de emprego privado em novembro nos Estados Unidos, e os gastos de consumo pessoal em outubro em França.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

Portugal tem mostrado algum atraso em relação ao resto da zona euro no que respeita à pressão nos preços, continuando numa dinâmica de aceleração que se estende ao indicador subjacente, levantando mais preocupações quanto à duração e extensão do fenómeno na economia nacional.

Comunidades pedem a António Costa que resolva “discriminação” de pensionistas

O Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa (CRCPE) endereçou hoje uma carta ao primeiro-ministro de Portugal a solicitar a atualização das pensões e reformas para evitar perdas do valor futuro das pensões e reformas dos portugueses no estrangeiro.
Comentários