INEM reforçado com mais dez ambulâncias

Instituto Nacional de Emergência Médica explica que, no total, “o reforço do dispositivo de emergência médica traduz-se no acréscimo de 33 meios a nível nacional”.

INEM/Twitter

O Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM) é reforçado, a partir desta segunda-feira, dia 1 de agosto, com mais dez ambulâncias a funcionar em zonas onde se tem verificado uma maior procura dos serviços, anunciou recentemente o INEM.

Segundo um comunicado do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), no total, “o reforço do dispositivo de emergência médica traduz-se no acréscimo de 33 meios a nível nacional”.

O comunicado refere que, face ao aumento do volume de serviços de emergência médica que se tem verificado, o INEM) em articulação com os seus parceiros do SIEM – corpos de bombeiros (CB) e Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) – “preparou um novo reforço do dispositivo dos meios de emergência médica, de forma a torná-lo mais eficiente” nos meses de agosto e setembro.

No norte do país, o dispositivo passa a contar com mais três Postos de Emergência Médica (PEM) nas delegações da CVP de Braga, Vila do Conde (ambulância a operar em Matosinhos) e Sanguedo (Santa Maria da Feira).

Na zona sul, e concretamente no distrito de Setúbal, haverá o acréscimo de sete novos PEM: Bombeiros de Pinhal Novo, de Santo André, de Alvalade (Sado), de Grândola, do Barreiro – Corpo de Salvação Pública, e bombeiros de Sesimbra e Santiago do Cacém.

“A atividade destes novos PEM decorrerá até 30 de setembro, juntando-se assim aos meios que desde o início de junho têm reforçado o dispositivo, num total de 33 meios de emergência médica”, esclarece o INEM

Na qualidade de entidade responsável pelo SIEM em Portugal continental, cabe ao INEM “acompanhar e analisar de forma constante as necessidades reais da população” e, sempre que necessário, “ajustar ou reforçar os meios de emergência para adequar a capacidade do sistema”.

“Desta forma, o presente plano continuará a ser monitorizado, com acompanhamento constante da evolução dos níveis de acionamentos por região, podendo ser ajustado ou reforçado em função da procura operacional, em termos temporais e geográficos”, precisa o INEM

O INEM é o organismo do Ministério da Saúde responsável por coordenar o funcionamento, no território de Portugal Continental, de um SIEM, de forma a garantir aos sinistrados ou vítimas de doença súbita a pronta e correta prestação de cuidados de saúde.

A prestação de cuidados de emergência médica no local da ocorrência, o transporte assistido das vítimas para o hospital adequado e a articulação entre os vários intervenientes do Sistema são as principais atribuições do INEM.

Na semana passada, a Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Médica (ANTEM) mostrou-se preocupada com a incapacidade manifestada pelo INEM em responder às solicitações diárias no que toca aos Serviços Médicos de Emergência.

“Insistir na tecla `casos pontuais´ é um erro e os dados de que dispomos atualmente indicam um aumento significativo de inoperância do sistema”, refere a ANTEM, aludindo a recentes declarações do secretário de Estado adjunto e da Saúde sobre os problemas existentes.

Em relação às declarações sobre a correção das situações anómalas detetadas, a ANTEM contrapõe que “a tentativa da correção já dura há demasiado tempo”, observando que, entretanto, se vai assistindo “à ineficácia de um serviço público que não garante o acesso aos cuidados mínimos de emergência médica de forma igualitária em todo o país”.

No entender da ANTEM, a atual situação do INEM não é pontual, mas antes uma “situação recorrente, que tende a tornar-se crónica”, afetando todos os dias “cidadãos que aguardam por cuidados, muitas vezes atrasados e insuficientes”, que aumentam “a mortalidade e a morbilidade”.

Recomendadas

PR diz que, em regra, lei não permite uso de escusas de responsabilidade

O Presidente da República defende que, em regra, a lei não permite o uso das escusas de responsabilidade e que, em política, quando se tem razão, é muito importante saber explicar aos portugueses a razão que se tem.

Madeira: IASAÚDE reembolsou mais de 1,5 milhões de euros aos utentes no primeiro semestre do ano

Foram as despesas de saúde relacionadas com exames de radiologia as mais reembolsadas, representando 23% do valor total, enquanto as consultas médicas e a medicina dentária englobaram 17,1% e 16,8% dos reembolsos, respetivamente. 

Vírus transportado por musaranhos deixa doentes dezenas de pessoas na China

Não são conhecidas provas de que possa existir transmissão entre seres humanos, até porque, tanto quanto se sabe, os pacientes não tiveram contacto próximo, segundo revelaram os investigadores.
Comentários