INESC lidera projeto europeu para financiar em dois milhões as soluções tecnológicas para sector eléctrico

O programa de financiamento destina-se, sobretudo, a startups e PME europeias. Cada projeto receberá até 150 mil euros para desenvolver as soluções tecnológicas para o sector elétrico.

A iniciativa foi lançada no âmbito de um programa de financiamento do maior projeto de investigação europeu até à data – InterConnect – liderado pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), e está aberta até 26 de julho. O objetivo é construírem protótipos que apoiem a digitalização do setor elétrico. Trata-se do maior projeto colaborativo europeu, liderado por instituto português, lança programa de financiamento.

O projeto InterConnect junta 50 parceiros europeus, oriundos de 11 países da União Europeia, com o objetivo de desenvolver ferramentas que permitam a interoperabilidade entre equipamentos elétricos e a rede elétrica.

Cerca de dois milhões de euros é o montante disponível para atribuir a empresas de países membros da União Europeia para desenvolverem 14 soluções tecnológicas a aplicar no setor elétrico europeu, diz o INESC.

O programa de financiamento destina-se, sobretudo, a startups e PME europeias. Cada projeto receberá até 150 mil euros para desenvolver as soluções interoperáveis. Esta é a primeira das três iniciativas de financiamento que o projeto tem planeadas, que pretendem promover a inovação nas áreas dos edifícios (residenciais e terciários) e das redes elétricas, contribuindo ativamente para a digitalização, bem como a eficiência energética.

“O projeto visa o desenvolvimento de uma estrutura digital que permite que os equipamentos, nas casas e na indústria, sejam capazes de comunicar com prestadores de serviços e operadores de rede. O seu propósito passa pela implementação de soluções que garantam flexibilidade do lado da procura, permitindo aos consumidores e produtores a alteração dos seus hábitos de consumo e com isso melhorar a eficiência e resiliência do sistema elétrico, contribuindo assim para a independência energética que a EU pretende alcançar”, explica David Rua, coordenador do projeto e investigador no INESC TEC.

As propostas selecionadas serão integradas num programa de apoio que conta com especialistas técnicos e mentores de negócio que vão guiar a proposta até à sua implementação e integração no mercado.

A liderar este processo está a empresa europeia Funding Box, que está responsável por dar a conhecer os resultados no final de outubro, revela o comunicado

“Em novembro vamos começar a trabalhar com as 14 empresas escolhidas nesta primeira ronda de financiamento e iniciar o programa de apoio, que terá uma duração de sete meses. Durante esse período passaremos por três fases: na primeira o objetivo passa por definir a prova de conceito, depois passaremos à etapa em que as empresas vão desenvolver os seus protótipos e respetivos modelos de negócio e, por último, o teste e validação dos produtos/serviços em ambiente de mercado utilizando para isso os demonstradores que estão a ser instalados a nível europeu onde se implementam as soluções que estão a ser desenvolvidas pelo projeto”, refere Yolanda Moreno, líder de projetos na Funding Box.

As candidaturas deverão ser feitas até às 5h da tarde (hora de Bruxelas) de dia 26 de julho.

Este projeto recebeu financiamento do programa de investigação e inovação Horizonte 2020 da União Europeia.

Recomendadas

BES/GES: Passos Coelho ouvido em tribunal durante cerca de duas horas

Passos Coelho chegou ao Campus da Justiça pelas 14h05 e avisou logo que não iria prestar declarações à entrada do tribunal por estar “um bocadinho atrasado”, uma vez que a sua audição estava agendada para as 14h00.

Pedro Morais Leitão é o novo administrador-delegado da Media Capital

“Pedro Morais Leitão regressa, assim, ao grupo Media Capital, onde já desempenhou funções de administrador da Media Capital Multimédia e foi responsável pela fundação do portal IOL”, adianta a dona da TVI e da CNN Portugal.

Flexdeal com lucros consolidados de cerca de 160 mil euros entre outubro e março

A empresa apresentou ao mercado o seu Relatório de Gestão Intercalar, relativo ao período de 1 de outubro de 2022 a 31 de março de 2022. O resultado líquido do período atribuível à Flexdeal terminado em 31 de março de 2022 foi de 203.044,31 euros. O resultado líquido consolidado do período foi de 159.677,49 euros.
Comentários