“Infelizmente alguns dados foram roubados pelos hackers e estão a ser divulgados publicamente”, diz TAP

“Até ao momento, não há indicação de que informações sensíveis, em particular dados de pagamento, tenham sido exfiltradas”, disse a TAP.

Esta manhã foi noticiado que foram divulgados dados de 1,5 milhões de dados de clientes da TAP pelo grupo de cibercriminosos Ragnar Lockere e que os hackers ainda tinham acesso aos sistemas da empresa aérea portuguesa. A TAP confirmou, em comunicado, que “infelizmente” estão a ser divulgados dados fruto de um ataque em agosto.

“Infelizmente, alguns dados foram roubados pelos hackers e estão a ser divulgados publicamente. Os dados afetados podem incluir nomes, informações de contacto, informações demográficas e número de passageiro frequente”, destaca a empresa que não aponta dados sobre quantas pessoas foram afetadas.

Segundo a TAP, “a informação afetada relativamente a cada cliente pode variar”. “Até ao momento, não há indicação de que informações sensíveis, em particular dados de pagamento, tenham sido exfiltradas”, informa a empresa que assegura que “as operações da TAP estão a decorrer com normalidade”.

No mesmo comunicado, a transportadora  aérea recorda que, “em agosto de 2022, os sistemas internos de cibersegurança da TAP Air Portugal (TAP) detetaram o acesso não autorizado a alguns sistemas informáticos. A TAP está preparada para este cenário e mobilizou de imediato uma equipa de especialistas internos e externos de TI e de peritos forenses para investigar em detalhe o sucedido e prevenir danos adicionais”.

A empresa diz que foi “graças aos sistemas de cibersegurança e à rápida atuação da equipa interna de TI” que “a intrusão foi contida numa fase inicial, antes de provocar danos nos processos operacionais”.

“Esta intrusão visava causar danos à TAP e aos seus clientes. A segurança dos nossos clientes e parceiros comerciais e dos seus dados é a nossa maior prioridade. Continuaremos, por isso, a tomar todas as medidas necessárias para cuidar dos seus dados”, sublinham.

Recomendadas

Toyota Caetano Portugal com lucros de 7,3 milhões no semestre

Em comunicado à CMVM, a Toyota Caetano Portugal diz que os resultados líquidos consolidados ascenderam a 7,3 milhões de euros, o que compara com 11,7 milhões em dezembro de 2021 e com 2,98 milhões em junho de 2021.

Fintech holandesa lança serviços financeiros para PME com Mollie Capital

As fintechs financeiras estão a olhar para pequenas e médias empresas em Portugal. Depois da Rauva, vem agora a Mollie Capital anunciar-se como “o primeiro fornecedor de serviços financeiros para PME”.

Nextbitt quer ganhar terreno no exterior enquanto investe no desenvolvimento tecnológico aliado à sustentabilidade

Numa conversa com jornalistas durante a manhã desta quarta-feira, Miguel Salgueiro, partner da NextBITT, deu a conhecer a estratégia delineada pelo grupo para a evolução da sua oferta e da sua plataforma visando os desafios ambientais com os quais o sector se depara.
Comentários