Inflação da Alemanha desacelera com anúncio do fim da política de estímulos do BCE

Os dados preliminares do gabinete de estatísticas alemão divulgados esta sexta-feira mostram que no estado mais populoso da Alemanha, a Renânia do Norte-Vestfália, a inflação desacelerou em dezembro para 1,8%, menos 0,6 pontos percentuais que no mês anterior.

A taxa de inflação nas regiões mais populosas da Alemanha desacelerou em dezembro, com o anúncio do fim do programa de compra de dívida do Banco Central Europeu (BCE) para combater a crise que se fez sentir na Europa. Os dados preliminares divulgados esta sexta-feira mostram que no estado mais populoso da Alemanha, a Renânia do Norte-Vestfália, a inflação desacelerou em dezembro para 1,8%, menos 0,6 pontos percentuais que no mês anterior.

A tendência de desaceleração da inflação na Alemanha verificou-se também no segundo e terceiro estados mais populosos do país. Na Baviera, segundo estado mais populoso, as estatísticas apontam para uma inflação anual de 2,2%, depois de no mês anterior ter sido de 2,7%. Já em Baden-Wuerttemberg, o terceiro estado alemão mais populoso, a inflação anual desacelerou de 2,7% em novembro para 2% em dezembro.

As estatísticas apresentadas não estão harmonizadas para comparação com outros países da zona do euro, mas a previsão é de que a taxa harmonizada de inflação ao consumidor (IHPC) da Alemanha tenha caído para 1,9%, face aos 2,2% registados em novembro.

Esta desaceleração surge depois de o BCE ter confirmado, a 13 de dezembro, a intenção de terminar com o programa de compra de dívida ainda este ano. O programa foi iniciado em março de 2015 para impulsionar o crescimento económico e a inflação na zona euro. Desde essa altura, o BCE  investiu 2,158 biliões de euros, incluindo 36.514 milhões de euros de dívida portuguesa.

O gabinete de estatísticas da União Europeia (UE), Eurostat, vai publicar os dados preliminares de inflação relativos a dezembro, a 4 de janeiro. Os analistas prevêem que a taxa de inflação caia para 1,8%, depois de em novembro se ter fixado nos 1,9%.

Relacionadas

BCE antecipa agravamento dos défices na zona euro em 2019

Instituição presidida por Mario Draghi antecipa o abrandamento da economia mundial em 2019. Frankfurt prevê ainda que os défices orçamentais dos países da zona euro deverão aumentar nos próximos dois anos.

Indústria alemã vê no Brexit e em Trump os maiores riscos para crescimento económico

A economia alemã, a maior da Europa, deverá apresentar a sua menor taxa de crescimento dos últimos anos em 2018. Contudo, a maioria das previsões prevê uma sólida taxa de crescimento de cerca de 1,5% para o próximo ano.
Recomendadas

Chefe do Estado-Maior são-tomense demite-se após ataque a quartel militar

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de São Tomé e Príncipe pediu hoje a demissão, denunciando “atos de traição” e condenando os “factos horrorosos” que envolveram a morte de quatro detidos após um ataque ao quartel-general militar.

Orbán usou dados fornecidos na vacinação Covid pelos húngaros para impulsionar campanha eleitoral

“Usar os dados pessoais das pessoas recolhidos para que possam aceder a serviços públicos para bombardeá-los com mensagens de campanha política é uma traição de confiança e um abuso de poder”, disse Deborah Brown, da Human Rights Watch.

Projeto “Ponte nas ondas” integra Boas Práticas de Património Imaterial da UNESCO

O projeto luso-galaico “Ponte nas Ondas” foi hoje reconhecido pela UNESCO, em Rabat, Marrocos, passando a integrar o Registo de Boas Práticas de Salvaguarda de Património Cultural Imaterial daquela organização internacional, tornando-se na primeira candidatura portuguesa da lista.
Comentários