Inflação. Deutsche Bank exorta bancos centrais a “agirem rapidamente”

O presidente executivo do Deutsche Bank, Christian Sewing, exortou hoje os bancos centrais a “agirem rápida e decisivamente” para controlarem a inflação, advertindo que a economia alemã está a caminho de uma recessão

A maior economia da Europa está a “caminho de entrar” em recessão devido ao aumento da inflação, aos estrangulamentos no fornecimento de energia e à interrupção das cadeias de abastecimento globais, alertou Sewing durante um discurso realizado em Frankfurt, na Alemanha.

“Não seremos mais capazes de evitar uma recessão na Alemanha”, prosseguiu.

Além disso, explicou que o Deutsche Bank acredita que a economia alemã é “resiliente o suficiente para lidar bem com a recessão”, desde que os bancos centrais “atuem rápida e decisivamente”.

A crise desencadeada pela invasão da Ucrânia pela Rússia atingiu um novo pico quando a Gazprom anunciou este mês que suspendeu indefinidamente os fluxos de gás através do seu maior gasoduto para a Europa.

A União Europeia está a procurar apresentar medidas para evitar que a crise do gás se transforme num colapso económico, sendo que os ministros da Energia vão realizar uma reunião de emergência em Bruxelas na sexta-feira.

“Quanto mais a inflação permanecer alta, maior será a tensão e maior será o potencial de conflito social”, avisou Sewing.

O Banco Central Europeu (BCE) deverá aumentar as taxas de juros de referência quando se reunir na quinta-feira, com os economistas a esperarem um aumento da taxa de juro diretora de até 75 pontos base, segundo a agência financeira Bloomberg.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

BdP aponta a crescimento de 6,7% e inflação de 7,8% este ano

As atualizações de outubro das projeções macro do banco central mostram revisões em alta em relação aos 6,3% de crescimento e 5,9% de inflação projetados em junho, com o consumo privado e o turismo a apoiarem a recuperação.

Vendas a retalho caem 0,3% na zona euro e 0,2% na UE em agosto

Comparativamente com o mês de agosto do ano passado, registaram-se quedas mais acentuadas, na ordem dos 2,0% e 1,3% respetivamente, de acordo com o Eurostat. Em Portugal, porém, a evolução foi positiva, quer face a julho do presente ano, quer face a agosto de 2021.
Comentários