Inflação deve voltar a subir em abril para 7,5% na zona euro, estima Eurostat

A pressão criada pelos produtos energéticos dá sinais de abrandamento, diminuindo o ritmo a que cresce o indicador, mostra a estimativa inicial do gabinete de estatística europeu. Ainda assim, a confirmar-se, o valor de abril será novo máximo na série da moeda única.

A taxa de inflação deverá ter voltado a subir em abril, embora apenas 0,1 pontos percentuais, com o indicador a atingir os 7,5%, de acordo com a estimativa rápida do Eurostat desta quinta-feira. A confirmar-se, este será um novo máximo histórico da série, algo que se tem vindo a registar nas leituras mais recentes.

Em março, o indicador havia atingido novos máximos históricos, ao ascender aos 7,4%. No entanto, este valor foi o resultado de uma ligeira revisão em baixa da estimativa inicial, que apontava para 7,5%. Também a inflação subjacente foi revista em baixa.

A inflação dos produtos energéticos também abrandou na anterior leitura, embora marginalmente, passando de 44,7% em fevereiro para 44,4% em março. Agora, os produtos energéticos dão sinais de maior abrandamento, sendo a variação para estes bens estimada em 38%.

As restantes componentes do indicador avançaram, com os bens alimentares, álcool e tabaco a acelerar dos 5% para 6,4%, os bens não-industriais a encarecerem 3,8% e os serviços 3,3%.

Olhando os valores específicos por país, Portugal deixa de apresentar uma das taxas de inflação homólogas mais baixas da zona euro, algo que se havia verificando há largos meses. Malta mantém a taxa mais baixa, com 4,9%, seguida de França, com 5,4%, e da Finlândia, com 5,6%. Em sentido inverso, a Estónia regista já 19% de variação homóloga, seguida da Lituânia, com 16,6%, e da Letónia, com 13,2%.

A elevada inflação que se vem sentindo no bloco da moeda única coloca pressão sobre o Banco Central Europeu para subir as taxas de juro diretoras, algo que não acontece desde 2011, mas cuja possibilidade Christine Lagarde, presidente da instituição, reconheceu recentemente.

[notícia atualizada às 10h10]

Recomendadas

“Senhor PRR” alerta que guerra e inflação são riscos acrescidos ao plano

O novo presidente da Comissão Nacional de Acompanhamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) considera que a guerra na Ucrânia e a inflação são riscos acrescidos ao plano que precisam de estratégias para serem mitigados.

Pedro Dominguinhos é o novo presidente da comissão de acompanhamento do PRR

A Comissão Nacional de Acompanhamento do PRR era presidida por António Costa Silva, que entretanto tomou posse como ministro da Economia e do Mar no atual Governo.

PremiumIndefinição no SEF gera críticas pela degradação do serviço

Novo adiamento da extinção do SEF leva partes interessadas a questionarem a degradação dos serviços. Agendamentos para reagrupamento familiar chegam a demorar um ano a marcar.
Comentários