Inflação espanhola recua 0,6% em dezembro

Depois de ter registado uma redução de 0,8% em novembro, o Instituto Nacional de Estatísticas espanhol anuncia uma redução de 0,6% dos preços de consumidor em dezembro.

Madrid, Espanha

Os dados, que surgem no documento provisório divulgado, esta quarta-feira, pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE) espanhol informam que a inflação em Espanha, comparativamente com o resto da União Europeia, cairam 0,6% em termos homólogos em dezembro, após ter sido registada uma variação de -0,8% em novembro.

Este valor contraria as previsões dos economistas consultados pela “Reuters” que antecipavam uma queda na ordem dos 0,7%. Em 2019, o valor da inflação anual no país vizinho era de -0,8%, este ano, o INE indica que esse valor fixou-se nos -0,5%.

A queda dos preços na vizinha Espanha foi moderada durante o mês de dezembro devido à subida nos preços da eletricidade e combustíveis, embora as taxas de inflação anuais continuem claramente em território negativo. O preço do petróleo também recuperou este mês, impulsionado pelas expectativas de que as vacinas irão acelerar uma recuperação económica global em 2021.

“Neste comportamento, destaca-se a subida dos preços da energia elétrica, que caiu no ano passado. Também influencia que os preços dos combustíveis aumentem mais este mês do que em dezembro de 2019 ”, referiu o INE.

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.
Comentários