Inflação, queda da confiança e de procura. As razões do BCE para o abrandamento económico

Esta quinta-feira, o banco optou por subir os juros em 75 pontos base (p.b.), decretando a maior subida de juros da história da moeda única, e atualizou as suas projeções macroeconómicas para este ano e os próximos.

Forum BCE 2020 — Christine Lagarde
BCE

O Banco Central Europeu (BCE) está à espera de um abrandamento considerável da economia para os meses restantes deste ano e durante 2023.

Esta quinta-feira, o banco optou por subir os juros em 75 pontos base (p.b.), decretando a maior subida de juros da história da moeda única, e atualizou as suas projeções macroeconómicas para este ano e os próximos.

A Presidente do BCE anunciou, em conferência de imprensa, que, no cenário base, espera-se que a economia na Zona Euro cresça 3,1% este ano, 0,9% em 2023 e 1,9% em 2024.

Há também um cenário pessimista, que inclui o encerramento total de fornecimento de gás russo, em que os número de crescimento são de 2,9% para 2022, menos 0,9% para 2023, mantendo-se os 1,9% para 2024.

Christine Lagarde explicou que, apesar de turismo estar a suportar o crescimento económico durante este terceiro trimestre, é expectável que a economia abrande “consideravelmente” nos meses restantes deste ano.

Espera-se que isso aconteça, em primeiro lugar, devido à alta inflação, reforçada por disrupções no fornecimento de gás, e depois, devido à forte recuperação da procura de alguns serviços com a abertura da economia que se espera que perca força nos próximos tempos.

Além disso, espera-se que haja um enfraquecimento da procura global das principais economias na troca de moeda, no contexto da política monetária, o que vai significar menos apoio à economia da Zona Euro, e, por fim, a queda acentuada da confiança, quer das empresas quer dos consumidores.

A presidente do BCE destaca que o mercado tem suportado a atividade económica, com o aumento de mais de 600 mil postos de trabalho no segundo trimestre de 2022, e com a taxa de desemprego em mínimos históricos de 6,6% em julho, mas que o abrandamento da economia deverá levar a um aumento desta taxa.

Preço do gás deverá manter-se consideravelmente alto

Lagarde frisou que os dados indicam que num futuro próximo o preço do petróleo vai atenuar, mas que o do gás deverá manter-se consideravelmente alto.

Em agosto, a inflação na Zona Euro foi de 9,1%, sendo que a do preço da energia manteve-se extremamente elevada, nos 38,3%, e foi novamente a componente dominante da inflação geral.

A inflação dos bens alimentares também aumentou no passado mês para os 10,6%, refletindo em parte os altos custos relacionados com a energia, disrupções no comércio dos bens alimentares e as condições meteorológicas adversas.

A desvalorização da moeda única também contribuiu para o acúmulo de inflação e as últimas projeções apontam para uma inflação excluindo bens alimentares e energia a chegar aos 3,9% em 2022, 3,4% em 2023 e 3,2% em 2024.

Relacionadas

BCE revê crescimento em alta para 3,1% e inflação para 8,1% este ano

As anteriores previsões apontavam para 2,8% de crescimento este ano e 6,8% de inflação, um cenário agora revisto em alta, dada a crise energética em que a Europa se encontra e a maior resistência demonstrada pela economia da zona euro.

BCE aplica maior subida de juros da sua história com 75 pontos base

A subida da inflação em agosto empurrou o mercado para uma subida de 75 pontos, algo que o BCE confirmou esta quinta-feira, colocando a taxa de referência nos 1,25%.
Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários