Inflação na China cresce acima dos 4% devido a surto de peste suína

O Índice de Preços ao Consumidor chinês, o principal indicador da inflação, registou um crescimento homólogo de 4,5%, em novembro, acima da meta definida pelas autoridades e sete décimas a mais do registado no mês anterior.

A inflação na China cresceu, em novembro, pela primeira vez acima dos 4% desde 2011, impulsionada pela carne de porco, devido a um surto de peste suína que se alastrou por todo o país.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) chinês, o principal indicador da inflação, registou um crescimento homólogo de 4,5%, em novembro, acima da meta definida pelas autoridades e sete décimas a mais do registado no mês anterior.

Os dados, publicados esta terça-feira pelo Gabinete Nacional de Estatísticas (GNE) revelam que a subida da inflação se deveu sobretudo ao aumento do preço dos alimentos, de 19,1%.

O preço da carne de porco, tradicionalmente a principal fonte de proteína animal para os chineses, subiu 110,2%, depois de ter aumentado 101,3%, em outubro. Segundo dados oficiais, os consumidores chineses comem 55 milhões de toneladas de carne de porco por ano. Analistas estimas que o país produziu este ano menos 130 milhões de porcos, cerca de um terço da sua produção em 2018, devido aos surtos de peste suína.

O preço das frutas frescas diminuiu 6,8%, mas o de ovos aumentou 10,1%, os vegetais 3,9% e o peixe e marisco 2,4%.

Preços de bens não alimentares aumentaram 1%, enquanto os preços dos transportes e comunicações diminuíram 2,8%.

O IPC nas áreas urbanas e rurais registou um crescimento interanual de 4,2% e 5,5%, respetivamente.

Os dados superam a meta definida pelo Governo chinês para a inflação, “em torno de 3%”, para este ano. O GNE informou ainda que o índice de preços de produção (IPP), que mede a inflação nas vendas por atacado, caiu 1,4%. Dos 40 setores industriais analisados, 12 registaram um aumentos dos preços, nove permaneceram no mesmo nível e 19 caíram.

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.
Comentários