Inflação na Rússia recua para 12,6% em outubro

A inflação homóloga na Rússia recuou para 12,6% em outubro, após ter atingido um máximo de 20 anos em abril, na sequência da ofensiva russa na Ucrânia, indicou hoje a agência de estatísticas Rosstat.

No mês de abril, a inflação homóloga atingiu um valor que não era registado desde 2002, situando-se em 17,8%, mas tem caído desde então.

Apesar de continuar a um nível bastante elevado, a inflação baixou dos 13,68% que tinha atingido em setembro para 12,6% em outubro, segundo os dados divulgados pela Rosstat.

Em outubro, os preços permaneceram estáveis em relação a setembro, mas os dos bens alimentares registaram um ligeiro aumento de 0,3%.

O aumento de preços da Rússia começou durante a recuperação verificada após a pandemia de covid-19, com a subida das matérias-primas, mas agravou-se depois das sanções internacionais impostas a Moscovo devido à sua intervenção militar na Ucrânia.

O banco central russo antecipa que no fim do ano a inflação deverá situar-se entre 12 e 13%.

Recomendadas

Empresa espanhola de armamento recebeu carta semelhante à que explodiu na embaixada da Ucrânia

Uma empresa espanhola de armamento recebeu um envelope similar ao que foi enviado para a embaixada da Ucrânia em Madrid e que explodiu.

Atualização do IAS aumenta valor máximo do subsídio de desemprego em 93 euros

O valor máximo do subsídio de desemprego vai subir mais do que o previsto avançando 93 euros, para 1.201,08 euros, refletindo o aumento de 8,4% do Indexante de Apoios Sociais (IAS) em 2023.

Afinal, pensões mais baixas vão subir 4,83% em janeiro

Pensões até 961 euros vão ter aumento de 4,83%, pensões entre 961 euros e 2.883 euros vão subir 4,49% e pensões acima de 2.883 euros vão crescer 3,89%. Correção das atualização vai custar 110 milhões de euros, aos quais se somam os 1.155 milhões de euros já previstos.
Comentários