Inflação na zona euro volta a subir em agosto e atinge 9,1%

A taxa de inflação na zona euro tem vindo a acelerar desde junho de 2021, principalmente devido à subida dos preços da energia, e a atingir valores recorde desde novembro.

A inflação anual voltou a subir na zona euro em agosto, atingindo um novo máximo de 9,1%, face aos 8,9% de julho, um aumento novamente motivado sobretudo pelos preços da energia, segundo estimativa hoje publicada pelo Eurostat.

A estimativa rápida hoje divulgada pelo gabinete oficial de estatísticas da União Europeia revela que a taxa de inflação anual – medida pelo Índice Harmonizado de Preços ao Consumidor – continua a subir e atinge em agosto um novo ‘pico’ no espaço da moeda única, de 9,1%, duas décimas acima do valor registado no mês anterior mas que compara com 3,0% em agosto de 2021.

Analisando as principais componentes da inflação da zona euro, o serviço estatístico comunitário adianta que a energia volta a ser, de forma destacada, a que mais pesa (38,3%, contra 39,6% em julho passado), seguida da alimentação, álcool e tabaco (10,6%, contra 9,8% em julho), dos bens industriais não energéticos (5,0%, contra 4,5% em julho) e dos serviços (3,8%, contra 3,7% um mês antes).

A taxa de inflação na zona euro tem vindo a acelerar desde junho de 2021, principalmente devido à subida dos preços da energia, e a atingir valores recorde desde novembro.

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.
Comentários