‘Influencer’ chinesa multada em 180 milhões de euros por evasão fiscal

Em resposta à multa, plataformas de vídeo e comércio eletrónico como Kuaishou, Taobao e Douyin bloquearam as contas da apresentadora.

A famosa ‘influencer’ chinesa Huang Wei foi multada em 1,34 mil milhões de yuan (180 milhões de euros) na segunda-feira por evasão fiscal, informou hoje o China Daily.

Segundo as autoridades fiscais da província oriental de Zhejiang, Huang evitou pagar 703 milhões de yuan ($98 milhões de euros) durante o período 2019-2020, pelo que decidiram impor uma multa que inclui impostos devidos, taxas de atraso de pagamento e uma penalidade.

Huang Wei, também conhecida como Weiya ou Viya, publicou na rede social Weibo uma declaração pedindo desculpa e admitindo a sua “culpa profunda”.

Em resposta à multa, plataformas de vídeo e comércio eletrónico como Kuaishou, Taobao e Douyin (a versão doméstica de TikTok) bloquearam as contas da apresentadora.

Na segunda-feira à noite, o China Daily acusou algumas figuras da indústria de de “agarrar os dividendos da indústria sem assumir qualquer responsabilidade social”, e observou que “o Estado apoia o desenvolvimento de novos modelos de negócio”, que, no entanto, precisam de “regulação”.

Huang Wei é uma das apresentadoras online mais populares da China: a 20 de Outubro, alcançou um volume de vendas de 8,2 mil milhões de yuan (1,1 mil milhões de euros) durante uma emissão de 12 horas e meia, de acordo com o Taobao, a plataforma que acolheu o evento.

O Presidente chinês, Xi Jinping, tem apelado à regulação e ajuste dos rendimentos “excessivamente elevados” e “pouco razoáveis” e encorajado “indivíduos e empresas” a “devolver mais à sociedade”, em linha com o conceito de “prosperidade comum” promovido por Pequim nos últimos meses.

Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários