Inger Andersen eleita para segundo mandato na direção de agência ambiental da ONU

As Nações Unidas elegeram a dinamarquesa Inger Andersen para um segundo mandato de quatro anos como diretora executiva do Programa Ambiental da Organização, após derrotar uma resolução patrocinada pela Rússia.

As Nações Unidas (ONU) elegeram esta quarta-feira a dinamarquesa Inger Andersen para um segundo mandato de quatro anos como diretora executiva do Programa Ambiental da Organização, após derrotar uma resolução patrocinada pela Rússia que abriria o cargo a outros candidatos.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, enviou uma nota aos 193 membros da Assembleia-Geral em 09 de janeiro, indicando Andersen à reeleição.

Quatro dias depois, a Rússia fez circular um projeto que exigiria que Guterres “apresentasse candidatos para o cargo de diretor executivo”.

A Assembleia derrotou a proposta russa e, em seguida, realizou uma votação secreta para a nomeação de Andersen, aprovando-a com 136 votos a favor, zero contra e 31 abstenções.

A decisão estende a sua liderança da agência ambiental da ONU, com sede em Nairóbi, no Quénia, de 15 de junho de 2023 a 14 de junho de 2027.

Antes de assumir o comando do programa em junho de 2019, Andersen foi diretora-geral da União Internacional para a Conservação da Natureza, por quatro anos.

Anteriormente, a dinamarquesa já havia passado 15 anos no Banco Mundial, inclusive como vice-presidente da região do Médio Oriente e Norte da África.

Recomendadas

MNE japonês aponta ao homólogo chinês “grandes desafios” na relação bilateral

“As relações Japão-China enfrentam muitos desafios e inquietações. A opinião pública no Japão em relação à China piorou drasticamente”, descreveu Hayashi ao homólogo chinês, apontando a preocupação com as atividades militares “cada vez mais ativas” da China perto do território nipónico.

Hong Kong inicia segunda-feira maior julgamento ao abrigo da Lei da Segurança Nacional

As pessoas em julgamento representam um amplo espectro da oposição de Hong Kong, desde o proeminente advogado Benny Tai a antigos deputados eleitos como Claudia Mo, Au Nok-hin e Leung Kwok-hung, até jovens ativistas pró-democracia como Joshua Wong e Lester Shum.

Multimilionário indiano acusado de manipulação de ações nega laços políticos

O grupo Adani tem sete empresas cotadas em bolsa e muitas delas registaram hoje fortes quedas, entre as quais a Adani Enterprises e a Adania Total Gas.
Comentários