Iniciativa Liberal critica Governo da Madeira por manter obrigatoriedade de uso de máscara em espaços fechados

O partido defende o fim do uso obrigatório de máscara. A Iniciativa Liberal diz que no meio do Atlântico “há uma ilha governada por irredutíveis “achistas” onde o uso da máscara continua obrigatório até meados de Maio”.

A Iniciativa Liberal Madeira defendeu o fim do uso obrigatório da máscara, e criticou o executivo regional por manter a sua obrigatoriedade em espaços fechados e nas salas de aulas ao contrário do que acontece no território continental.

“O Governo da República decidiu, e o Presidente da República promulgou de imediato, o fim do uso das máscaras. Isto significa que desde o fim-de-semana está o país livre de máscaras em espaços fechados e, claro, nas salas de aula das escolas. Todo o país? Não. No meio do Atlântico há uma ilha governada por irredutíveis “achistas” onde o uso da máscara continua obrigatório até meados de Maio”, refere o partido.

Contudo o partido salienta que as máscaras continuam a ser obrigatórias em locais frequentados por pessoas portadoras de vulnerabilidades, e locais com elevada intensidade de utilização e de difícil circulação de ar.

“Já nem em bares e discotecas é obrigatório usar máscara, mas o Governo Regional quer obrigar as nossas crianças a continuar a usar máscara até meados do mês de Maio. É uma perversidade. É uma prepotência”, acrescenta a Iniciativa Liberal Madeira.

O partido considera que o desenvolvimento das crianças “foi muito prejudicado durante a pandemia, com atrasos cognitivos e de aquisição de linguagem”, defendendo que é “urgente” recuperar, pelo que deve “terminar imediatamente” o uso obrigatório de máscara nas escolas.

A Iniciativa Liberal reforça que é tempo de “dar a cara” e de nos “deixarem respirar”.

Recomendadas

CEO da Electronic IDentification: “Estivemos quase a desaparecer duas ou três vezes”

Iván Nabalón, fundador e CEO da Electronic IDentification, conta ao JE como quer aumentar os clientes digitais dos bancos e seguradoras.

Uberização do mercado das entregas deverá continuar a crescer

Empresas que trabalham para o sector da logística e transporte acreditam que a concorrência das plataformas digitais veio para ficar.

Jerónimo de Sousa lamenta que “rolo compressor” tenha garantido aprovação do Orçamento

“Foi para satisfazer a gula do grande capital e calar os avisos e as pressões vindas da União Europeia que o Governo, ontem [sexta-feira] mesmo, fez votar o seu Orçamento do Estado”, afirmou Jerónimo de Sousa, durante a sessão de encerramento da XII Assembleia da Organização Regional de Viseu do PCP.
Comentários