Iniciativa Liberal critica redução de voos da TAP para a Madeira e “teimosia” do PS

Tendo em conta esta redução de voos de e para a Madeira, bem como o cancelamento do voo semanal para o Porto Santo, “o contribuinte português vai injetar numa companhia falida mais de 3.000 milhões de euros” sem que haja retorno de serviço, lamenta a Iniciativa Liberal Madeira.

A Iniciativa Liberal Madeira, criticou a redução de voos da TAP para a Madeira e a “teimosia dos socialistas rosa” em manter em funcionamento “uma companhia falida”.

A coordenação da Iniciativa Liberal na Madeira estendeu a crítica ao ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, o qual acusa de desperdiçar o dinheiro dos contribuintes numa  gestão da TAP de “lógica questionável”.

Tendo em conta esta redução de voos de e para a Madeira, bem como o cancelamento do voo semanal para o Porto Santo, “o contribuinte português vai injetar numa companhia falida mais de 3.000 milhões de euros” sem que haja retorno de serviço, lamenta o partido.

A Iniciativa Liberal considera que a TAP já não é o “esteio dos madeirenses” que foi outrora nas viagens para fora do arquipélago, tendo companhias como a easyJet tomado o seu lugar. “Agora o que é que ganhamos com a dita companhia de bandeira? Nada, a não ser preços absurdos”.

O pagamento de taxas aeroportuárias também foi um tema abordado, sendo que a Iniciativa Liberal considera que devia-se proceder à isenção de pagamento das mesmas por parte das companhias, bem como acabar com a subvenção do passageiro. “Criava-se assim a escala necessária não só para os madeirenses terem preços em conta, como isso seria extensível a todos os portugueses. Temos de começar a pensar a continuidade territorial nos dois sentidos”,  sugere a coordenação do partido.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Euribor sobem a três, seis e 12 meses para novos máximos de quase 14 anos

As taxas Euribor subiram hoje para novos máximos desde o início de 2009 a três, seis e 12 meses.

Maioria dos europeus tem hoje maior dificuldade em fazer face às despesas mensais

O disparo dos preços tem levado as famílias europeias a ter maior dificuldade em equilibrar o orçamento mensal. Não há dados específicos para Portugal, mas também cá os salários reais têm caído e o poder de compra emagrecido.
Comentários