Iniciativa Liberal de Cascais lança desafio ferroviário a Fernando Medina

Ligação entre as estações ferroviárias de Alcântara-Terra e Alcântara-Mar permitiria ligar a Linha de Cintura à Linha de Cascais, que é utilizada diariamente por 60 mil residentes nesse concelho e em Oeiras.

Alcântara-Terra

O núcleo territorial de Cascais da Iniciativa Liberal desafiou Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, a fazer a ligação entre as estações ferroviárias de Alcântara-Mar e Alcântara-Terra, o que permitiria ligar diretamente as linhas de Cascais (entre Cascais e o Cais do Sodré) e de Cintura (entre Alcântara-Terra e a Azambuja). Neste momento os 700 metros que separam as duas linhas só são percorridos ocasionalmente por composições com vagões de mercadorias.

O desafio foi lançado pelo candidato da Iniciativa Liberal à Câmara de Cascais, Miguel Barros, para quem essa ligação “é fundamental para melhorar a qualidade de vida de todos os que se deslocam entre Cascais, Oeiras e Lisboa”, defendendo que os concelhos “não podem ser geridos como ilhas isoladas na Área Metropolitana de Lisboa, sob pena de se dificultar ainda mais a vida das populações que passam inúmeras horas em deslocações”.

O facto de 60 mil residentes nos concelhos de Cascais e de Oeiras viajarem diariamente de e para Lisboa exige, segundo os dirigentes liberais, um reforço das condições de mobilidade na Grande Lisboa. E numa aposta que deverá passar pelo transporte ferroviário, pois “permite obter uma maior eficiência e comprovados benefícios ecológicos quando comparado com o transporte rodoviário”.

Os núcleos de Cascais, Sintra e Oeiras da Iniciativa Liberal, partido que se candidata pela primeira vez às eleições autárquicas, avançaram no início do mês passado com um projeto de mobilidade integrada designado Metro Oeste Atlântico, que consistiria num rede de metro de superfície a ligar os três concelhos. Esse projeto teria cerca de 52 quilómetros, incluindo 42 estações e quatro linhas diferentes.

Recomendadas

Angola cresce 3,5% este ano, mas abranda para 1,8% em 2023

“O forte crescimento de Angola este ano dificilmente vai prolongar-se para 2023, já que a produção petrolífera deverá regressar à tendência decrescente”, lê-se numa análise às maiores economias da África subsaariana, região que deverá ver o PIB deste ano expandir-se 3,3%, abrandando face aos 4,4% do ano passado.

China diz que EUA estão a enviar “sinais perigosos” sobre Taiwan

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês deixou claro que uma escalada das atividades independentistas torna difícil um acordo pacífico, no que diz respeito a Taiwan,

Vieira da Silva desaconselha mudança da lei das pensões. “É mais sensato suspender”

Para o ex-ministro Vieira da Silva, seria mais sensato suspender a lei da atualização das pensões, não sendo este o momento para proceder a alterações à fórmula legal.
Comentários