Iniciativa Liberal propõe Joana Marques Vidal para liderar grupo de trabalho contra a corrupção

João Cotrim Figueiredo diz que acreditar que o PS irá combater a corrupção “é como ser adulto e ainda acreditar no Pai Natal”.

Presidente do Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim Figueiredo | Foto: Cristina Bernardo

O presidente e deputado único do Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, lançou nesta quarta-feira a proposta de que a anterior procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, que descreveu como “não reconduzida no cargo por motivos ainda pouco claros”, seja escolhida para liderar a estratégia de combate contra a corrupção.

“Ser ingénuo ao ponto de acreditar que o PS irá resolver este problema é como ser adulto e ainda acreditar no Pai Natal”, disse Cotrim de Figueiredo, numa intervenção durante o plenário da Assembleia da República, minimizando as iniciativas do Governo e da bancada parlamentar socialista, “para separar o trigo do joio entre quem quer e quem só diz querer combater a corrupção”.

O deputado do IL lançou outros desafios, como a criação de uma comissão eventual de combate à corrupção, incitando “outros nove bravos deputados” a garantirem o número mínimos de mandatos necessários para que essa proposta possa ser considerada. E também instou todos os partidos “a não aproveitar a falta de meios da entidade fiscalizadora”.

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Costa espera privatização da TAP em 12 meses. Admite que Estado possa perder dinheiro

O primeiro-ministro disse hoje esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses, afirmando que “só se fosse irresponsável” é que garantiria que o Estado não irá perder dinheiro na transação, mas “espera que não”.
Comentários