Inovação no relato sem margem para adiamentos

Não é novidade que a função financeira desempenha um papel crítico no fornecimento de confiança aos investidores.

Não é novidade que a função financeira desempenha um papel crítico no fornecimento de confiança aos investidores. No entanto, a confiança nas empresas está, mais do que nunca, a ser afetada, podendo vir a ser colocada em causa em definitivo se estas não corresponderem às expectativas de mudança de comportamento empresarial que os stakeholders espem. Este comportamento esperado envolve riscos tecnológicos e regulamentares crescentes, por vezes exógenos ao controlo das empresas, e que continuam a transformar o relato e o seu controlo de gestão. Por um lado, em 2021 é aceite que tecnologias inovadoras e análises sofisticadas devem ter um papel central na gestão do risco e volatilidade dos mercados. Por outro lado, à medida que o ambiente económico e social muda, os referenciais de reporte das empresas – normas regulamentares, normas contabilísticas e de relato não financeiro, protocolos legais e regimes éticos – estão também a evoluir.

Apesar de estes factos poderem parecer evidentes em 2021, observa-se uma lenta adesão ao ambiente “Finance 4.0” por parte do tecido económico em Portugal, o que pode colocar em causa a sua competitividade pelo menos no médio prazo. Já não era cedo em 2019, mas com o choque digital em 2020 e 2021 provocado pela pandemia, é crítico que em 2022 e anos seguintes, as empresas iniciem ou reforcem o processo de transformação da sua função financeira.

Neste contexto, as organizações devem estar conscientes da necessidade de incorporar procedimentos de análise de dados robustos e eficientes como ferramenta de suporte à função financeira para que possa acrescentar valor ao negócio e tornar-se um fornecedor de informação de confiança aos cada vez mais exigentes stakeholders internos e externos em tempo real, com custos reduzidos e com baixo risco, o que representa desafios significativos como a necessidade de desenvolver uma gestão de dados eficiente a par com o obstáculo persistente de lidar com integração de sistemas e os custos daí decorrentes.

A nossa experiência, mostra-nos, que para gerir os desafios da inovação tecnológica e de relato corporativo, as empresas concentram-se em:
Colaboração efetiva entre as várias funções da empresa, incorporando o benefício de uma compreensão mais ampla das complexas dependências entre os riscos e os procedimentos para a sua gestão, permitindo também uma abordagem integrada da gestão da informação para fazer face, entre outros, aos seguintes desafios:

l Resposta a requisitos regulamentares rigorosos tais como leis ou regulamentos da União Europeia, por vezes evidentes para a função financeira mas visto como não essencial para outras áreas operacionais;

l Dinamismo na gestão de dados das várias áreas da empresa que leva a que os departamentos quando isolados possam perder a compreensão e o controlo sobre que informação é armazenada e onde.

Incorporação de procedimentos e sistemas tecnológicos flexíveis e integrados, em primeiro lugar, que incorporem os benefícios/requisitos de uma integração mais ampla das complexas dependências entre os riscos e os procedimentos para a sua gestão e que permitam também uma abordagem integrada da gestão da informação e eficiência no relato. Em segundo lugar, os procedimentos e sistemas devem ser o mais conscientes possível do dinamismo da evolução regulamentar e tecnológica de forma a evitar constantes ruturas tecnológicas na função financeira e inerente investimento que leva algumas entidades a, ainda hoje, manterem a sua relutância sobre a importância e as vantagens de se investir em tecnologia.

Com a colaboração das várias funções e a incorporação de procedimentos e sistemas integrados e flexíveis, as empresas estarão certamente mais bem preparadas para conferir um maior grau de confiança e de credibilidade a stakeholders cada vez mais exigentes e com focos diferenciados.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Desenvolvimento da Biotecnologia em Portugal

A biotecnologia explora processos celulares e biomoleculares para desenvolver tecnologias e produtos que ajudam a melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Canábis medicinal: um cluster emergente em Portugal?

Portugal está no radar do investimento mundial na cadeia de valor da canábis medicinal, possuindo excelentes condições para se tornar um hub europeu nesta indústria.

ESG no imobiliário: o que as organizações devem considerar

Nas maiores empresas, esta abordagem de integração estratégica está a ser encarada como um imperativo de negócio para criar valor a longo prazo.
Comentários