Insolvências de empresas caem 2,9% até novembro face a 2020

Até novembro há registo de 4.486 insolvências, menos 136 que em 2020. Já as constituições de novas empresas tiveram um crescimento acumulado a ultrapassar os 9%.

As insolvências em Portugal caíram 2,9% até ao final de novembro, face a igual período de 2020, revelam dados da Iberinform. Já as constituições de novas empresas mantêm o crescimento que supera ligeiramente os 9%.

Até novembro há registo de 4.486 insolvências, menos 136 que em 2020. Apenas no mês de novembro foram apuradas 490 insolvências, menos 18 que no ano anterior (-3,5%). Mas este foi o segundo mês do ano com maior número de insolvências atrás de setembro que alcançou as 522.

Por tipologia, é de destacar a descida de 1,9% no número de declarações de insolvência requeridas por terceiros que até final de novembro ascendia a 847 ações, menos 16 que em 2020.

As declarações de insolvência apresentadas pelas próprias empresas baixaram 16,5% face a 2020, com uma queda de 1.038 para 867.

Os planos de insolvência aumentaram de 40 para 47 (+17,5%). Já quanto às insolvências decretadas houve um aumento de 2.681 em 2020 para 2.716 em 2021 (+1,3%).

Porto e Lisboa são os distritos com mais insolvências, 1.124 e 1.044, respetivamente, segundo esta análise. Sendo que face a 2020, verifica-se um aumento de 12,7% em Lisboa e uma diminuição de 5,4% no Porto.

Além do Porto, os restantes distritos com decréscimo nas insolvências foram o distrito de Bragança (-59,5%), de Horta (-50%), de Faro (-33,6%), de Beja (-29%), da Madeira (-18,2%), de Angra do Heroísmo (-15,8%), de Santarém (-15%), de Leiria (-14,4%), de Évora (-11,6%), de Viana do Castelo (-11,4%) de Aveiro (-8,1%) e de Braga (-5%), por esta ordem.

A par de Lisboa, há mais sete distritos que têm crescimentos das insolvências: Portalegre (24%), Setúbal (19,7%), Guarda (16,7%), Ponta Delgada (12,1%), Castelo Branco (10,6%), Vila Real (6%) e Coimbra (5,7%).

Numa análise por setores verifica-se que até final de novembro apresentam maiores aumentos nas insolvências a Indústria Extrativa (50%), a Eletricidade, Gás, Água (25%), as Telecomunicações (12,5%), a Hotelaria e Restauração (11,2%) e a Construção e Obras Públicas (9,2%).

Com menos insolvências registas surgem os setores dos Transportes (-14,9%), Comércio a Retalho (-12,2%), Indústria Transformadora (-10,2%), Comércio por Grosso (-5,6%), Agricultura, Caça e Pesca (-3.5%), Comércio de Veículos (-0,6%) e Outros Serviços (-0,8%).

Constituições com crescimento acumulado a ultrapassar os 9%
As constituições de novas empresas em novembro aumentaram de 3.025 em 2020 para 3.374, mais 349 empresas em termos homólogos (crescimento de 11,5%).  Em termos acumulados verifica-se um aumento de 9,1% face a igual período de 2020, com um total de 37.990 novas empresas criadas em Portugal em 2021, diz a Iberinform.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.
Comentários