Insolvências encerraram 612 empresas por mês até novembro

Insolvências abrandam mas as constituições de novas empresas também desaceleram. Estas são as principais conclusões de um estudo da Ignios sobre a conjuntura empresarial em Portugal.

De acordo com os dados analisados pela Ignios, até ao final do mês de novembro, 6.727 empresas entraram em insolvência, o que pressupõe uma média de 612 empresas por mês. O número de casos insolventes diminuiu comparativamente com o ano de 2015 (-0,9%), ainda que de janeiro a novembro se tenha verificado um aumento do número absoluto de insolvências.

Até ao final de novembro, registaram-se 3.243 declarações de insolvência, 103 planos de insolvência foram aprovados pelos tribunais, 1.665 empresas apresentaram insolvência por si mesmas e 1.716 empresas foram solicitadas como insolventes pelos seus credores.

O Porto foi o distrito que registou o aumento mais significativo de empresas insolventes de 2015 para 2016, com um aumento de 7,5%. No caso de Lisboa, o aumento foi de 5,2% e é o distrito com maior número de insolvências (24,8% do total).

Os distritos que se dedicam à exportação são aqueles que tendem a diminuir os casos de insolvência, tendo-se destacado o distrito de Braga com -16,9%.

Empresas que atuam em setores como comércio a retalho e por grosso, indústria alimentar, agricultura, silvicultura e pesca apresentam maiores casos de insolvência, dada a sua dependência face à procura interna e consequentes importações.

O mesmo movimento de abrandamento tem vindo a verificar-se nas novas constituições, que em 2016 registaram uma quebra de 1,3% face ao período homólogo de 2015 – o que perfaz uma média de 3.106 empresas a surgir por mês.

Os únicos distritos que apresentaram aumento de novas empresas foram Faro, Lisboa e Setúbal. Lisboa é o distrito com maior representatividade de novas constituições (32%).

Por fim, os setores que apresentaram aumento de constituições foram o alojamento e a restauração (+4%) e a construção (+2,6%).

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários