Inspeção da Saúde abre inquérito a incêndio em hospital do Porto causado por cigarro de doente

O processo vai ser conduzido por dois inspetores do Núcleo Regional do Norte da IGAS, onde se insere o Centro Hospitalar Universitário de São João.

A Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) instaurou um processo de inquérito para apurar as responsabilidades no incêndio ocorrido este domingo, dia 19 de dezembro, no Hospital de São João, no Porto. A entidade fiscalizadora informou esta segunda-feira que o processo vai ser conduzido por dois inspetores do Núcleo Regional do Norte da IGAS, onde se insere o Centro Hospitalar Universitário de São João.

Em causa está um fogo, que deflagrou ontem, causado por um doente que acendeu um cigarro dentro da enfermaria onde estava internado. Segundo a “CNN Portugal”, que citou fonte da unidade hospitalar portuense, o utente encontrava-se ligado ao oxigénio e essa botija acabou por explodir, causando a morte ao doente que ocupava a cama ao lado, que foi a única vítima mortal.

O incidente resultou em nove feridos, dois deles em estado grave, um por intoxicação e outro por paragem cardiorrespiratória. O incêndio, que foi dado como extinto pelos bombeiros às 19h0o, ocorreu na ala de pneumologia do Hospital de São João, pelo que os pacientes desse piso tiveram de ser transferidos para outros estabelecimentos de saúde.

Em 2021 – ano em que a IGAS começou a fazer auditorias à capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde em emergências – foram realizadas quatro auditorias, no Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Norte, no Centro Hospitalar Universitário do Porto, no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central e no Hospital Arcebispo João Crisóstomo, em Cantanhede.

“Nestas auditorias está a ser avaliado o nível de preparação e planeamento dos serviços de saúde para responder a situações de emergência não previstas, desconhecidas e de impacto elevado, mantendo a continuidade da prestação de cuidados de saúde”, explica a inspeção da Saúde.

Notícia atualizada às 16h08

Recomendadas

Hospital de Santiago do Cacém pede reencaminhamento de doentes urgentes

O Hospital do Litoral Alentejano, em Santiago do Cacém, está com constrangimentos no atendimento de doentes na Urgência de Cirurgia Geral, desde o meio-dia de hoje, de acordo com as informações transmitidas às corporações de bombeiros da região.

Hospital de Loures pediu desvio de doentes não críticos e teve espera superior a 16 horas

O Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, pediu o reencaminhamento de doentes não críticos para outras unidades, disse à Lusa fonte do Sindicato Independente dos Médicos, tendo o tempo de espera dos doentes considerados urgentes ultrapassado hoje as 16 horas.

SICAD alerta para o risco da pobreza fazer renascer consumos dos anos 80 e 90

O diretor-geral do serviço de intervenção nas dependências alertou hoje para o risco da pobreza fazer renascer os consumos “catastróficos” dos anos 80 e 90, caso não seja reforçada a resposta que está muito carenciada de meios humanos.
Comentários