Inspeção-Geral da Educação abriu 20 processos por inflação de notas no secundário

Inspeção-Geral da Educação abriu mais dois processos disciplinares no Externato Ribadouro e tem cerca de duas dezenas de averiguações em curso.

No último ano, a Inspecção-Geral da Educação e Ciência (IGEC) abriu 20 processos contra estabelecimentos de ensino, ou algum dos seus responsáveis. Só este, a IGEC abriu mais dois processos disciplinares no Externato Ribadouro.

De acordo com a notícia avançada pelo Publico, este sábado, em causa está a atribuição de notas inflacionadas aos alunos do ensino secundário, com o objectivo de facilitar a sua entrada no ensino superior. A maioria destes casos envolve colégios privados, entre os quais está o Externato Ribadouro, no Porto, onde foram instaurados três processos disciplinares por causa da inflação das classificações.

Prática deixa de ser hábito em mais de 80% das escolas

Numa intervenção, em novembro, feita junto das escolas e colégios que inflacionam as notas internas dos seus alunos tem tido efeitos positivos, a Inspecção-Geral de Educação e Ciência (IGEC) concluiu que mais de 80% dos estabelecimentos de ensino inspeccionados no último ano reduziram os desalinhamentos, confirmando os resultados conseguidos no ano anterior, quando foi feita pela primeira vez uma operação de combate a esta prática.

Tal como no ano anterior, em 2018 foram alvo da IGEC 12 escolas – todas do Norte do país, sete das quais privadas.

O relatório “Avaliação das Aprendizagens dos Alunos do Ensino Secundário” mostra que, após a intervenção dos últimos dois anos, dez desses estabelecimentos de ensino (83%) reduziram a inflação das notas internas dos seus alunos. As excepções foram o Colégio da Associação Cultural e Recreativa de Fornelos, em Fafe, e a Escola INED – Nevogilde, no Porto.

Recomendadas

Três praias de Oeiras interditadas a banhos

As praias de Caxias, Santo Amaro de Oeiras e Paço de Arcos foram interditadas a banhos, desde sexta-feira, depois das análises à qualidade da água revelarem valores microbiológicos acima dos parâmetros de referência, revelou hoje a Autoridade Marítima Nacional.

António Almeida-Dias: “Ao contrário do ensino superior estatal, não pedimos dinheiro ao Governo”

Presidente da APESP defende que Portugal tem muito a ganhar com um ensino superior privado que usufrua da autonomia e liberdade consagradas na Constituição e que o Estado limita. O setor privado da economia já demonstrou ser o motor da inovação e do progresso, diz.

IPLeiria constrói cinco residências e renova sete num investimento de 25 milhões do PRR

Com este investimento, o Politécnico vai assegurar residências de estudantes em todas as cidades onde conta com oferta formativa, nomeadamente em Leiria, Caldas da Rainha, Peniche, Marinha Grande, Pombal e Torres Vedras.
Comentários