PremiumInstabilidade em Itália tira 100 mil milhões à banca europeia

As ações dos maiores bancos italianos e espanhóis desvalorizam mais de 20% desde maio, enquanto o português BCP demonstra maior resiliência.

Itália

O Governo de coligação em Itália tem aumentado a volatilidade dos mercados europeus desde maio. À medida que se aproxima a data da apresentação do orçamento do Estado – que poderá trazer medidas que levem a uma subida do défice -, o stress no setor da banca europeia intensifica-se.

As incertezas sobre o cumprimento de Itália das metas europeias para a dívida e défice, associadas à crise nos mercados emergentes e às expetativas mais moderadas para a evolução das taxas de juro criadas pelo Banco Central Europeu, levam o índice de referência da banca na Europa, o Euro Stoxx Banks a acumular uma desvalorização de 16% desde maio. A capitalização de mercado já caiu cerca de 100 mil milhões de euros.

“Apesar das alterações introduzidas em termos de regulação desde a crise financeira internacional, este período de maior volatilidade volta a relembrar que permanece visível a relação entre dívida soberana e os bancos na área do euro”, afirmou Albino Oliveira, analista da Patris Corretora.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

CGD vai continuar com uma posição de capital acima da média da Europa, diz Paulo Macedo

O presidente da Comissão Executiva da CGD disse hoje que o banco vai continuar com uma das maiores redes de agências e com uma posição de capital acima da média da Europa e acima dos bancos portugueses.

Oracle e tecnológica portuguesa modernizam sistemas de quatro Caixas Agrícolas

As instituições bancárias do Bombarral, Chamusca, Mafra e Torres Vedras vão implementar novas soluções de banca digital ao longo dos próximos dois anos. O projeto, que decorre até 2024, envolve a migração de dados para a ‘cloud’.

Sindicatos bancários mantêm proposta de revisão salarial para trabalhadores do BCP

Os sindicatos consideram que a proposta do BCP “não é suficiente, nem ajustada à realidade”. E prometem continuar a lutar por uma “atualização justa” para os bancários do banco liderado por Miguel Maya.
Comentários