Instituições públicas “estão no limite”, avisa Sampaio da Nóvoa

O candidato presidencial António Sampaio da Nóvoa assinalou, após uma visita ao Instituto Português de Oncologia (IPO), que as instituições públicas “resistiram bem” à crise dos últimos anos, mas, agora, estão perto do limite. “Percebemos que as instituições públicas resistiram bem a uma situação de grande crise mas temos todos a noção que estamos no […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O candidato presidencial António Sampaio da Nóvoa assinalou, após uma visita ao Instituto Português de Oncologia (IPO), que as instituições públicas “resistiram bem” à crise dos últimos anos, mas, agora, estão perto do limite.

“Percebemos que as instituições públicas resistiram bem a uma situação de grande crise mas temos todos a noção que estamos no limite dos limites”, assinalou o candidato à agência Lusa no final de uma visita ao IPO, em Lisboa, acrescentando que esta resistência se deveu em grande parte à “dedicação dos profissionais” e a uma “gestão mais cuidadosa e mais rigorosa”.

Para Nóvoa, “se não houver políticas públicas adequadas” as instituições podem “estar à beira do colapso”, sendo necessário “inverter as políticas públicas” de financiamento, sustentabilidade, autonomia e valorização dos profissionais.

Os principais problemas que o candidato a Belém identificou ao longo das reuniões que tem tido com diversas instituições foram os cortes no financiamento ou dificuldades das organizações em adquirir autonomia de gestão, que considerou “transversais ao conjunto dos serviços públicos”.

OJE

Recomendadas

Costa pede novas regras fiscais europeias que permitam investimentos estratégicos

Quando a União Europeia debate uma revisão das regras fiscais e financeiras o primeiro-ministro, António Costa, considera que existe uma proposta da Comissão que já tem “contributos muito positivos”, no entanto, é necessário, para além desses contributos, “um estabilizador macroeconómico permanente”, para “estabilização em situações de crise”.

Detida vice-presidente do Parlamento Europeu em investigação de lóbi ilegal do Qatar

A social-democrata grega Eva Kaili, está entre os cinco detidos na Bélgica no âmbito de uma investigação sobre alegado lóbi ilegal do Qatar para influenciar decisões políticas em Estrasburgo, diz a imprensa belga.

Eutanásia: Montenegro reitera dúvidas e diz que PS e Chega são “cúmplices no medo do referendo”

A Assembleia da República aprovou a despenalização da morte medicamente assistida em votação final global, pela terceira vez, com votos a favor da maioria da bancada do PS, da IL, do BE, dos deputados únicos do PAN e Livre e ainda de seis parlamentares do PSD. Votaram contra a maioria da bancada do PSD, os grupos parlamentares do Chega e do PCP e seis deputados do PS, registando-se três abstenções entre os sociais-democratas e uma na bancada socialista.