PremiumInstituto de Educação da UMinho ajuda a formar docentes angolanos

Segunda edição do projeto de formação de professores arranca em Benguela, envolvendo efetivos da Universidade e 30 mestrandos. Relação de cooperação entre UMinho e Angola tem três décadas.

Os primeiros docentes angolanos selecionados para frequentar os mestrados de ensino fizeram o curso no Instituto de Educação da Universidade do Minho e já estão formados. Um novo grupo começa agora, desta feita na cidade de Benguela, no Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED). É a segunda edição do programa de formação de professores do Estado angolano que tem como parceiro o Instituto português.
Futuramente, todos os mestres vão estar envolvidos na formação de futuros educadores e professores em Angola. O Executivo de João Lourenço tem como meta formar 20 mil docentes nos próximos 10 anos.
Beatriz Pereira, presidente do Instituto de Educação da UMinho, enfatiza o foco do governo angolano na educação, um sector basilar em qualquer país. “Ao preocupar-se com o ensino pré-escolar e com as crianças mais pequenas, ao criar as suas autonomias e criar os seus quadros, Angola está no caminho certo para se poder desenvolver efetivamente”, afirma ao Jornal Económico.

O número é astronómico para um espaço de tempo tão curto, mas à medida que o processo for avançando vai aumentar a capacidade do país para o fazer, considera Leandro da Silva Almeida, anterior presidente do Instituto da Educação da UMinho. “Cada vez mais, as próprias instituições angolanas que formam professores e as competências que se vão consolidando aumentam a capacidade para fazer mais e melhor”.

Beatriz Pereira partilha a perspetiva: “Pretendemos empoderar os docentes que estamos a formar nesta fase inicial, de forma a que eles ganhem capacidade de reproduzir e serem eles próprios a formarem os seus docentes. Continuaremos a apoiá-los e a todo o projeto com toda a nossa energia, capacidade e conhecimento”.

Este projeto de formação de professores teve início em 2019. Leandro da Silva Almeida presidia ao Instituto de Educação na altura em foi assinado o acordo que envolveu a criação de três mestrados em Metodologias Específicas para a Educação de Infância, para o Ensino primário e da Língua Portuguesa para o Ensino secundário, a ministrar pelos Institutos Superiores de Ciências de Educação de Benguela, Huíla e Luanda e pelo Instituto da Educação da Universidade do Minho.

Os mestrados resultam da implementação do Programa Nacional de Formação e Gestão de Pessoal Docente de Angola e pretendem reforçar as competências e qualificações dos docentes nas áreas da Metodologia da Educação de Infância (ISCED – Huíla), das Metodologias do Ensino Primário (ISCED-Benguela) e da Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa (ISCED-Luanda), contribuindo para elevar a qualidade do ensino no país.

O programa arrancou no auge da pandemia da Covid-19. A par dos mestrandos, o projeto incluiu a vinda para Portugal de docentes dos ISCED (pares pedagógicos) para lecionarem em parceria com os docentes da UMinho, assegurando a contextualização dos conteúdos e processos à realidade de ensino angolano, nomeadamente em termos dos manuais escolares e das práticas instituídas.

João Chivando, jovem professor do Bié, integrou o grupo dos 65 mestrandos da primeira edição. Manifesta a convição de que o programa tem poder para mudar o rumo do ensino no seu país. “Estamos sendo preparados para responder às necessidades da população angolana. Somos poucos, mas o que estamos a aprender é suficiente para mudar o paradigma qualitativo daquilo que é a educação em Angola”.

Internacionalização
A relação de cooperação entre a instituição do Minho e Angola é antiga e sólida. Remonta ao início dos anos 90 do século XX, segundo conta ao JE, Leandro da Silva Almeida,quando um grupo de jovens angolanos, das áreas da Psicologia e da Educação vieram, com o apoio do governo, fazer o doutoramento em Braga. “Esse primeiro grupo que se doutorou aqui na Universidade foi de alguma forma o alicerce”, salienta. Seguiram-se outras iniciativas, entre as quais os mestrados de desenvolvimento curricular ministrados em Benguela e lecionados com o apoio de docentes de cá.

“Diria que temos três décadas de parceria com Angola, três décadas em que nos temos vindo a reinventar nesta parceria, nesta internacionalização, procurando corresponder a necessidades das instituições e necessidades do próprio governo de Angola”, afirma o professor catedrático ao JE.

Destaca, por outro lado, a importância deste trabalho conjunto numa lógica de parceria colaborativa e de aprendizagem mútua. “Temos trabalhado em conjunto, quer ao nível de estruturas do Governo, quer ao nível de outras instituições, iniciando projetos ou dando continuidade a outros, numa lógica de progressiva autonomização. Numa lógica de podermos partilhar, de co-construir respostas aos problemas que têm ido aparecendo”.

Parceria e co-criação são palavras-chave também para Beatriz Pereira. A presidente do Instituto de Educação partilha com o seu antecessor o objetivo de que estes mestrados possam vir a ser a rampa de lançamento para o desenvolvimento de programas de doutoramento entre as duas partes. “O governo de Angola está interessado em criar esses programas de doutoramento nestas instituições que estamos a apoiar, nomeadamente, desde que tenham alguns recursos e façam parcerias com universidades estrangeiras que possam também aportar um selo de qualidade aos programas”.

Marca não falta ao Instituto de Educação da UMinho. A completar 47 anos no próximo dia 12, é uma das mais prestigiadas instituições na área das Ciências da Educação dentro e fora de Portugal.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

PremiumPatrões querem que todas as despesas de teletrabalho fiquem isentas de IRS

Governo estuda fixar um valor até ao qual as despesas de teletrabalho estão livres de IRS. Patrões consideram positivo, mas avisam: ideal seria todos os pagamentos estarem isentos.
Comentários