Instituto de Telecomunicações de Aveiro desenvolve “rede quântica” de comunicações seguras

Uma rede quântica de comunicações seguras está a ser desenvolvida em Portugal, envolvendo o Instituto de Telecomunicações de Aveiro (IT-Aveiro), revelou hoje fonte académica.

O projeto, a integrar na rede europeia que está a ser implementada na União Europeia (euroqci) designa-se PTQCI, é liderado pelo Gabinete Nacional de Segurança (GNS) e tem o contributo do IT-Aveiro.

“Com este projeto, procurar-se obter uma rede de comunicações mais segura, com menos intervenção humana e com tecnologia quântica, sendo possível fazer uma distribuição mais segura de chaves de cifra”, refere uma nota de imprensa daquele instituto.

Segundo a mesma fonte, o algoritmo de encriptação e as máquinas de cifra estão também a ser desenvolvidos em Portugal.

Na primeira fase, a rede em Portugal será constituída por um nó central, no Gabinete Nacional de Segurança (GNS), estendendo-se ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, ao Estado Maior Feral das Forças Armadas e ao Centro de Comunicações, de Dados e Cifra da Marinha.

“Não se pretende uma eliminação do sistema existente e substituição pela rede quântica”, esclarece Armando Pinto, professor da Universidade de Aveiro e coordenador da participação do IT-Aveiro no projeto PTQCI.

De acordo com aquele académico, “o sistema atual não deixará de funcionar repentinamente, sendo progressivamente substituído pela nova rede quântica”.

O projeto PTQCI, no valor de 6,8 milhões de euros, é financiado pela União Europeia e, em parte, pelo Plano de Recuperação e Resiliência, cabendo ao IT-Aveiro um financiamento de 878 mil euros.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira, 23 de setembro

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta sexta-feira.

PremiumApoio à formação vai cobrir parte dos custos salariais

Em resposta à inflação, o Governo anunciou, entre outras medidas, um apoio para a formação dos trabalhadores nas horas vazias. Custos salariais serão parcialmente cobertos, aliviando os encargos das empresas, revela João Neves.

FNE contra a contratação direta pelas escolas pela possibilidade de “amiguismos”

“Não concordamos, claramente”, começou por dizer o vice-secretário-geral da FNE, em declarações aos jornalistas no final da primeira reunião com o Ministério da Educação sobre a revisão do modelo de recrutamento e contratação de professores.
Comentários