Se usou, declara que usou. Ponto. É desta forma que a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDUL) começou a lidar com a Inteligência Artificial na avaliação. Paula Vaz Freire, diretora da maior Escola de Direito do país, revela ao Jornal Económico que “no presente semestre foi emitida uma orientação para que os trabalhos escritos desenvolvidos pelos estudantes apresentem referências claras ao uso de programas de IA, como o ChatGPT”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor