Interesse de estrangeiros na compra de casa em Portugal aumenta 29%

A maioria dos estrangeiros que procuram casa em Portugal estão interessados em comprar casa em Lisboa, Porto, Braga, Leiria e Aveiro.

Margarida Grossinho

O interesse de estrangeiros na compra de casa em Portugal aumentou 29% no segundo trimestre de 2022 face ao mesmo período do ano passado. Além do tráfego dos Estados Unidos, que disparou 205%, também se destaca o aumento do tráfego francês, na ordem dos 84%, segundo um estudo da Imovirtual.

Os utilizadores estrangeiros que mais procuraram casa em Portugal no 2º trimestre são, por esta ordem, naturais do Brasil (28% do tráfego internacional total), França (14%), Estados Unidos (9%), Suíça (9%) e Reino Unido (8%). Face ao período homólogo do ano passado, há um aumento generalizado da procura destacado da Bélgica (+25%), Reino Unido (+19%), e Angola (+16%). Apenas há decréscimo no caso da Suíça (-17%) e Alemanha (-2%).

“Este é um sinal do regresso do investimento estrangeiro na nossa oferta imobiliária. Apesar do sector se ter mantido sempre dinâmico, sentimos alguma quebra do interesse estrangeiro associado às limitações da circulação entre países que foram uma condicionante. No entanto, estes valores de crescimento em comparação com o ano passado demonstram um momento de retoma completa e um futuro com múltiplas oportunidades para potenciar negócios”, explica o diretor-geral do Imovirtual, Ricardo Feferbaum.

Em relação ao primeiro trimestre de 2022, o segundo trimestre deste ano revela um ligeiro decréscimo da procura (-12%). Há uma quebra generalizada do interesse no mercado nacional por parte dos países que mais procuram casa em Portugal, com exceção do crescimento significativo vindo dos Estados Unidos (+64%).

“A maioria dos estrangeiros que procuram casa em Portugal estão interessados em comprar casa em Lisboa, Porto, Braga, Leiria e Aveiro”, informa o comunicado.

Recomendadas

Lisboa: esta cidade não é para pobres

Estudo da Century 21 Portugal sobre a acessibilidade de habitação em Portugal revela que, na capital portuguesa, 155 mil famílias com rendimentos líquidos anuais que variam entre os 5 mil e os 19 mil euros só têm 5% de oferta de habitação adequada à sua classe no mercado.

Volume de investimento imobiliário deverá continuar nos três mil milhões em 2023

Consultora CBRE aponta Lisboa como a sexta cidade europeia mais atrativa para investir e destaca como principais riscos para este ano a obtenção e o custo do crédito, bem como o desfasamento de expetativas de preços entre o vendedor e comprador.

Comprar um apartamento de 90m2 em Lisboa custava mais do dobro da média nacional em 2022

Na capital portuguesa o preço era de 375.480 euros, enquanto na média nacional o valor é de e 152.159 euros. Em Lisboa, a taxa de esforço aumentou dos 48% em 2019, para o 67% no último ano.
Comentários