Investidores a ‘meio-gás’ levam Wall Street a abrir inalterada

Esta semana, o volume das transações em bolsa deverá ficar abaixo do normal, devido à época de festiva em que muitos investidores tiram férias, o que reduz a liquidez e pode aumentar a volatilidade.

A trader wears glasses that say “2017” ahead of the new year on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) in Manhattan, New York City, U.S., December 30, 2016. REUTERS/Stephen Yang

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque abriram a sessão a negociar sem grandes alterações face ao fecho das cotações na sexta-feira passada, dia em que Wall Street fechou com a quinta semana consecutiva de ganhos.

Esta semana, o volume das transações em bolsa deverá ficar abaixo do normal, devido à época de festiva em que muitos investidores tiram férias, o que reduz a liquidez e pode aumentar a volatilidade.

Esta segunda-feira, na penúltima sessão de 2019, o S&P 500 avançava muito ligeiramente 0,01%, para 3.240,50 pontos; o industrial Dow Jones subia 0,03%, para 28.655,21 pontos; e o tecnológico Nasdaq cedia 0,03%, para 9.003,83 pontos.

O mercado está a centrar as atenções nas minutas da reunião da Reserva Federal norte-americana de dezembro, que serão divulgadas na sexta-feira, dia em que o Institute of Supply Management publica o PMI da manufatura relativo a dezembro, que irá sinalizar a resiliência do setor em face das consequências da guerra comercial.

Antes, na terça-feira, será publicado o índice de confiança do consumidor, que dará sinais sobre o estado da economia norte-americana. O consumo interno norte-americano representa cerca de dois terços do PIB.

A imprensa chinesa dá conta que o vice-primeiro-ministro Liu He viaja esta semana para Washington para assinar a primeira fase do acordo comercial entre os Estados e a China, que estão há 1 meses em ‘guerra comercial’.

Relacionadas

Numa década de excelência nem tudo foram rosas em Wall Street

Seja qual for o caminho ou caminhos escolhidos para a produção de energia, é hoje quase um dado adquirido que o petróleo irá perder quota de mercado, seja na componente de produção de electricidade, como na mobilidade.

Economia chinesa e perspetiva de acordo comercial anima Wall Street

O Dow Jones terminou a semana a valorizar 0,19% para 28,676.86 pontos, o S&P 500 a ganhar 0,10%, para 3,243.16 pontos e o Nasdaq Composite caiu 0.03%, para 9,019.68 pontos.

Rally em Wall Street continua. Bolsa de Nova Iorque atinge novos máximos

O S&P 500 está a preparar caminho para terminar 2019 como o melhor desde 1997. Apple sobe mais de 1%, depois de ser noticiado que a tecnológica e Sharp estariam em negociações para comprar a principal fábrica de ecrãs de smartphones da Japan Display por 820 milhões de dólares.
Recomendadas

PSI fecha em queda em linha com Europa. EDPs lideram perdas

As bolsas europeias encerraram na sua globalidade em baixa. Já o petróleo está em rota ascendente depois de a OPEP+ ter anunciado um corte agressivo na produção. Por sua vez as ‘yields’ da dívida a 10 anos estão em alta.

Agência americana de marketing digital desportivo chuta para golo na bolsa de Lisboa

A empresa apoia clubes e jogadores na sua estratégia de internacionalização, desenvolvendo as suas audiências digitais em todo o mundo. Entre os seus clientes, encontram-se o Liverpool, Manchester United, Juventus, Bayern de Munique, PSG, Orlando Magic, F1 e a Primeira Liga Portuguesa.

Wall Street abre mista. Twitter desvaloriza com outro volte-face no negócio

Já as ações da Peloton estão a valorizar 3,35% para 8,82 dólares, apesar de a empresa das bicicletas de fitness ter informado que iria reduzir a força de trabalho em mais 12% (ou 500 empregos). A gigante do retalho Walmart avança à boleia de uma nova aquisição.
Comentários