Investidores da Tesla frustrados com o tempo que Elon Musk anda a dedicar ao Twitter

“Distração” e “desperdício de dinheiro”. É assim que muitos investidores veem o tempo dedicado pelo empresário à sua recente aquisição.

Elon Musk já anunciou ao mundo que vai continuar a trabalhar e a dormir na sede da Twitter em São Francisco até resolver todos os problemas da rede social. Na segunda-feira, disse publicamente que tinha trabalhado durante toda a noite.

Este método de trabalho intensivo não é novidade para o empresário: em 2018, fez exatamente o mesmo nas fábricas da Tesla na Califórnia e no Nevada à medida que a empresa estava a aumentar a produção do Model 3.

Além de ser CEO da Tesla e do Twitter, o empresário também gere a SpaceX, a Boring Company e a Neuralink. E assumiu recentemente em público que tem “muito trabalho” entre mãos.

Mas o mundo mudou desde então, assim como a importância da Tesla, e os investidores não estão a ver com bons olhos o facto de Musk passar agora 24 horas do seu dia a pensar no Twitter — que comprou por 44 mil milhões de dólares.

“Os investidores da Tesla vão ficar frustrados. Ele provavelmente vai passar mais tempo no Twitter do que qualquer investidor na Tesla desejaria”, disse à “Reuters” Gene Munster da empresa de venture capital Loup Ventures.

Na sua opinião, Musk vai ficar dedicado ao Twitter durante os próximos seis a 12 meses, destacando que a Tesla hoje está mais desenvolvida e menos imediatamente dependente do seu fundador.

Elon Musk detém cerca de 20% da Tesla, tendo vendido este ano oito milhões de ações da empresa para financiar a compra da rede social.

Um analista da Wedbush considera que “Musk conseguiu fazer o que os bears não conseguiram fazer durante anos: esmagar a ação da Tesla”, disse Daniel Ives que considera o Twitter uma “distração” e um “desperdício de dinheiro” para Musk. “O circo do Twitter está a começar a impactar lentamente a marca de carros elétricos Tesla”, afirmou.

Por sua vez, um investidor na Tesla, Ross Gerber, defendeu que a empresa precisa de encontrar um adjunto para Elon Musk. “Ele finalmente chegou a um ponto onde precisa de se desafiar. Penso que precisam de encontrar a pessoa certa. E, francamente, não têm essa pessoa”.

A administração da Tesla tem vindo a mostrar a sua preocupação ao longo dos anos para com a dispersão de atenção de Elon Musk.

Em 2018, o presidente do conselho de administração Robyn Denholm disse que o “tempo mínimo” que Musk dedicava à Tesla estava a tornar-se “mais e mais problemático”, segundo documentos divulgados em tribunal.

Outro administrador, Ira Ehrenpreis disse que o multimilionário era pago por resultados, não pelo seu tempo.

O próprio Musk já disse que a sua empresa não está dependente de si: “Temos aqui uma equipa muito talentosa. Penso que a Tesla iria continuar a dar-se bem mesmo se eu fosse raptado por aliens ou regressasse ao meu planeta”, afirmou em 2021.

Mas outros acreditam na capacidade de Elon Musk dar a volta por cima. “Quando temos um empreendedor que fez tudo o que ele já fez, devíamos estar a beijar-lhe os pés. Ele é fenomenal”, disse o investidor milionário Tim Draper à “Reuters”.

Relacionadas

Elon Musk garante que tem “demasiado trabalho” em mãos

Na sequência da compra do Twitter e com os problemas que afetam a Tesla, há investidores que estão preocupados com a possibilidade de o norte-americano não ter mãos a medir para todo o trabalho.

Twitter. Selo azul de “oficial” está de regresso. Certificado de oito dólares desaparece

Anteriormente, Elon Musk, tinha tornado o selo disponível unicamente para quem pagasse 8 dólares (7,74 euros, à taxa de câmbio atual) por ele, deixando de estar reservado a personalidades da esfera mediática.

Elon Musk nega trabalho remoto para trabalhadores do Twitter: Só com “razão específica”

Numa nota interna enviada aos profissionais dias depois de 3.700 funcionários terem sido despedidos, são dadas a conhecer novas diretivas acerca do trabalho remoto, relata o diário britânico “The Guardian”.
Recomendadas

Binter e Embrar fecham compra de cinco novas aeronaves por mais de 369 milhões de euros

As duas primeiras unidades estão previstas para chegar às Ilhas Canárias em novembro de 2023.

Manuel Champalimaud compra à Novares a área de injeção de plásticos para a indústria automóvel

A aquisição visa reforçar posição do Grupo Champalimaud no sector dos componentes de plástico decorativo e de interface para a indústria automóvel.

PremiumAmazon diz que “continua a fazer investimentos” de cloud em Portugal

A empresa norte-americana de computação na nuvem Amazon Web Services (AWCS)está a desenvolver um centro de dados no país, mas não se compromete com uma data de abertura.
Comentários