Investimento do setor privado é indispensável para economia do mar sustentável

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje em Nova Iorque que o investimento do setor privado é indispensável para o desenvolvimento de uma economia do mar sustentável e pediu ambição aos líderes políticos.

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quarta-feira em Nova Iorque que o investimento do setor privado é indispensável para o desenvolvimento de uma economia do mar sustentável e pediu ambição aos líderes políticos.
António Costa assumiu estas posições numa reunião de líderes do Painel de Alto Nível para uma Economia Oceânica Sustentável, do qual fazem parte, além de Portugal, países como Noruega, França, Quénia e Estados Unidos da América.

De acordo com a sua intervenção escrita, em inglês, disponibilizada no fim deste encontro, que foi fechado à comunicação social, o primeiro-ministro manifestou-se otimista quanto à conclusão de “um tratado ambicioso sobre a conservação e uso sustentável da biodiversidade marinha em áreas fora da jurisdição nacional”.

Segundo António Costa, este fórum de líderes políticos “pode desempenhar um papel importante”, mas “os Estados e o investimento público só por si não são suficientes” nesta matéria.

“Soluções sustentáveis requerem apoio público e privado, comprometido e global. O setor privado e as instituições filantrópicas são cruciais para assegurar a transição para soluções descarbonizadas, não poluentes e protetoras da biodiversidade”, acrescentou.

O primeiro-ministro assinalou que Portugal vai organizar em 2023 uma segunda edição do fórum sobre economia azul que decorreu no Estoril, Cascais, em junho deste ano.

“O nosso objetivo é manter a plataforma aberta, ligando investidores e potenciais beneficiários, permitindo-lhes compreender como podem ter acesso aos financiamentos disponíveis”, afirmou.

Austrália, Canadá, Chile, Ilhas Fiji, Gana, Indonésia, Jamaica, Japão, México, Namíbia, Palau e Reino Unido são os outros países que fazem parte do Painel de Alto Nível para uma Economia Oceânica Sustentável.

António Costa terminou o seu discurso com um apelo aos seus pares neste fórum: “Não baixemos a nossa ambição e asseguremos que 2023 e os anos seguintes continuem a ter o oceano como elemento central da agenda internacional”.

António Costa está em Nova Iorque desde segunda-feira para participar no debate geral da 77.ª sessão da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em que irá intervir na quinta-feira, regressando nesse dia a Lisboa.

À margem das Nações Unidas, o primeiro-ministro tem prevista uma reunião bilateral com William Ruto, recém-empossado Presidente do Quénia, país com o qual Portugal partilhou a organização da 2.ª Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, realizada em Lisboa em junho.

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.
Comentários