Investimento na Europa em residências para estudantes cresceu 130% até setembro

De acordo com a Savills, o interesse dos investidores no setor das residências de estudantes está a ser impulsionado por um número crescente de estudantes que frequentam a universidade, bem como por um forte crescimento dos estudantes internacionais que dependem do sector.

Studyou (Porto)

O volume de investimento no mercado europeu de PBSA (Purpose Built Student Accommodation) atingiu um  recorde de 11,7 mil milhões de euros, nos primeiros três trimestres de 2022, traduzindo um aumento de 130% em relação ao ano anterior, segundo a consultora imobiliária Savills.

De acordo com a Savills, o interesse dos investidores no setor das residências de estudantes está a ser impulsionado por um número crescente de estudantes que frequentam a universidade, bem como por um forte crescimento dos estudantes internacionais que dependem do PBSA.

A Savills espera que esta trajetória de crescimento continue nos próximos anos, uma vez que se prevê que o número de jovens na Europa (15-19 anos de idade) aumente 5,8% até 2027. Adicionalmente, muitos mercados europeus registam uma significativa falta de oferta de PBSA, o que está a impulsionar um incremento do arrendamento, revela a análise.

A taxa média de oferta – o número total de camas dividido pelo número total de estudantes – nas cidades europeias é, atualmente, de apenas 12,5%, abaixo dos 13% verificados no ano passado, revela o estudo.

Nas diversas cidades europeias monitorizadas pela Savills, “espera-se a entrega de aproximadamente 14.500 novas camas PBSA em 2022, um número que não é suficiente para compensar a subida do número de estudantes”.

Em média, em toda a Europa, o mercado público de habitação para estudantes representa 63% do total de camas PBSA, “o que significa que a grande maioria do stock existente está desatualizado e assume uma menor qualidade em comparação com o stock privado mais recente”, revela a Savills.

Este desequilíbrio entre oferta e procura está a atrair cada vez mais investidores para o segmento, constata a consultora de imobiliário, refere a Savills.

Horácio Blum, Associate Director Investment da Savills Portugal, diz em comunicado que “atualmente, Portugal tem uma oferta estrutural insuficiente de camas para alojamento de estudantes, um sentimento que foi publicamente salientado neste novo ano letivo”.

“Com uma taxa média de oferta ainda abaixo da média europeia e um potencial de procura em expansão para novos segmentos residenciais e cidades anteriormente inexploradas, existe um espaço significativo para crescimento e termos de investimento”, acrescenta Horácio Blum.

De acordo com um recente survey realizado pela Savills a investidores imobiliários com ativos sob gestão localizados na região EME [Europa e Médio Oriente], superiores a 500 mil milhões de euros, o PBSA europeu é um dos cinco principais setores onde os investidores procuram intervir nos próximos 12 meses.

Lydia Brissy, Director European Research, Savills, afirma em comunicado que “a percentagem de negócios de financiamento antecipado como percentagem do total do investimento PBSA europeu tem vindo a aumentar constantemente nos últimos cinco anos, representando 30% do volume total em 2022. Os acordos de financiamento antecipado são típicos em países com mercados PBSA em desenvolvimento e com um stock disponível limitado”.

De acordo com a Savills, a yield associada ao investimento em PBSA prime em toda a Europa situa-se atualmente nos 4,15%. Este valor varia entre 3,5% em Copenhaga e 6,00% em Sevilha. Os rendimentos têm permanecido estáveis ao longo dos últimos 12 meses.

Já Marcus Roberts, Head of Europe  da Savills Operational Capital Markets, sublinha que “o setor de PBSA tem continuado a mostrar que é contra cíclico e proporciona uma boa oportunidade para os investidores equilibrarem as suas carteiras em tempos de recessão económica. É uma forte classe de ativos e o sentimento positivo neste segmento demonstra a confiança que os investidores têm na sua resiliência e capacidade de proporcionar rendimentos”.

 

Recomendadas

PremiumVila Maior investe 140 milhões no Grande Porto

Grupo Construções Vila Maior aposta na Área Metropolitana do Porto para desenvolver os seus projetos residenciais, nomeadamente nos concelhos de Gaia, Matosinhos e Espinho, e de arrendamento industrial em Santa Maria da Feira.

Custos de construção de habitação nova aumentam 13% em termos homólogos

Os custos de construção de novas habitações em outubro aumentaram 12,5% face ao ano passado, estima o Instituto Nacional de Estatística. O valor fica 0,8 pontos percentuais abaixo dos dados de setembro. Materiais e custo da mão-de-obra representam as maiores variações.

Investimento no sector de retalho cresceu 170% em Portugal até setembro

A análise europeia da consultora Savills revela que o investimento em centros comerciais representou 27% de toda a atividade de investimento no segmento de retalho, em comparação com os 14% verificados no período homólogo do ano passado.
Comentários