Investimentos na Rioforte. Pharol processa ex-administradores

A Pharol (antiga PT SGPS) anunciou que deu entrada no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa a primeira ação de responsabilidade contra os ex-administradores Henrique Granadeiro, Pacheco de Melo e Amílcar Pires devido aos investimentos na Rioforte. A entrada da ação resulta da deliberação aprovada em assembleia-geral de acionistas da Pharol a 31 de julho. […]

A Pharol (antiga PT SGPS) anunciou que deu entrada no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa a primeira ação de responsabilidade contra os ex-administradores Henrique Granadeiro, Pacheco de Melo e Amílcar Pires devido aos investimentos na Rioforte.

A entrada da ação resulta da deliberação aprovada em assembleia-geral de acionistas da Pharol a 31 de julho.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Pharol, liderada por Palha da Silva, adianta que “nesta ação é peticionada indemnização correspondente à diferença entre o valor de 897 milhões de euros e aquele que a Pharol vier a receber no âmbito do processo de insolvência da Rioforte, bem como os demais danos que se vierem a apurar, tudo a liquidar ulteriormente e acrescido dos juros de mora vincendos, contabilizados desde a data da citação até efetivo integral pagamento”.

Em causa está o investimento em papel comercial da Rioforte, do Grupo Espírito Santo (GES), que entre várias consequências, levou à saída de Henrique Granadeiro e Luís Pacheco de Melo da PT.

Outro dos visados, Amílcar Morais Pires, administrador financeiro do Banco Espírito Santo (BES), era administrador na PT em nome do banco, que era um dos acionistas de referência da operadora de telecomunicações.

A Pharol admite ainda vir a responsabilizar outros administradores.

“Não fica prejudicado o direito de a Pharol vir a responsabilizar outros administradores eleitos para o triénio 2012/2014 ou terceiros – nomeadamente a Deloitte & Associados, SROC, S.A., como já oportunamente anunciado — que, de alguma forma, tenham tido responsabilidade por danos causados à Pharol em consequência e/ou relacionados com investimentos na Rioforte ou instrumentos de dívida emitidos por entidades integrantes do Grupo Espírito Santo”, conclui a empresa, que é acionista de referência da operadora brasileira Oi.

A entrada da ação judicial acontece exatamente dois anos depois da PT ter anunciado um projeto de fusão com a Oi, processo que, posteriormente, passou a ser de “combinação de negócios”, após a alteração dos acordos entre as duas empresas na sequência do investimento em papel comercial da Rioforte.

OJE

Recomendadas

PremiumRede 5G, um ano e quatro mil antenas depois

Portugal arrancou com a tecnologia de quinta geração a 26 de novembro. NOS, a primeira a lançar, revela que conta com 3.200 estações instaladas.

PremiumOaktree, Cerberus e Vanguard na corrida à VIC Properties

A Alantra vai receber esta sexta-feira as propostas não vinculativas para a compra dos ativos da VIC Properties. A Vanguard deverá avançar para o Pinheirinho. Oaktree e Cerberus entre os interessados.

Marcas vs Catar: o difícil equilibrismo das maiores marcas do mundo. Veja o “Jogo Económico”

Do equilibrismo de quem patrocina a prova à anti-campanha de quem está de fora, estes dias estão entregues a uma espécie de Mundial de marcas com desfecho imprevisível. Daniel Sá, especialista em marketing desportivo e diretor-executivo do IPAM e Henrique Tomé, analista da corretora XTB, são os convidados desta edição.