Investir mais? Schäuble recusa conselho de Bruxelas

O ministro das Finanças alemão criticou a Comissão Europeia por recomendar a Berlim aumentar o investimento porque tem margem orçamental.

“Creio que as recomendações da CE vão de certa forma para o destinatário errado”, assegurou Schäuble numa comparência no Parlamento para defender o projeto de Orçamento do Estado para 2017, que será aprovado definitivamente na sexta-feira.

O ministro sublinhou que, desde que Angela Merkel chegou ao poder em 2005, a Alemanha em média aumentou 3,3% as receitas e 2,3% os gastos, enquanto o investimento aumentou 3,9% por ano.

Em comparação, adiantou Schäuble, os outros países da União Europeia (UE) aumentaram 2,7% as receitas, 2,5% os gastos e 0,7% o investimento.

A CE erra ao dirigir à Alemanha aquelas críticas, segundo o ministro das Finanças alemão, que considerou que Bruxelas “se desvia” assim da sua missão de supervisionar o cumprimento das normas orçamentais comunitárias.

Schäuble, homem forte e principal defensor das políticas de austeridade na Europa, mostrou-se satisfeito por levar à Bundestag (câmara baixa alemã) o quarto orçamento consecutivo do Governo federal que pressupõe um défice nulo.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Mais do que o mercado global, a imigração digital estimula as economias locais

Atualmente, a maior parte da inovação ocorre de forma colaborativa e a mobilidade global das pessoas tem sido um fator importante no aumento do número de polos criativos.

Turismo. Hóspedes e dormidas em outubro superam em mais de 5% o registo pré-pandemia

O mercado interno contribuiu com 1,8 milhões de dormidas (-2,7% face ao mesmo mês do ano passado), ao passo que os mercados externos somaram 4,9 milhões (+37,3%).
Comentários