Invista na melhoria das competências e potencie o desempenho

Conceitos como desempenho, competências, potencial e talento têm vindo a ser usados de forma semelhante dada a estreita ligação que encontram entre si. Será que compreendem as mesmas dimensões?

Se enveredássemos pela sua definição encontraríamos significados diferentes mas orientados no mesmo sentido, o da aptidão. Aptidão que resulta de competências, que, por sua vez, espelham potencial, o que associado ao desempenho pode ser percepcionado como talento.E depois de distinguir conceitos para onde seguir? Já o gato da Alice no País das Maravilhas dizia que se não sabe para onde vai, não importa o caminho. A verdade é que hoje em dia, com a evolução das gerações, poucos são aqueles que se movem sem uma bússola orientadora da sua acção (mesmo que esta vá mudando o sentido).

E sabendo que responsabilidades pretende abraçar, até que ponto se encontra preparado para tal? As empresas pensam cada vez mais no potencial dos seus colaboradores com o objectivo de avaliarem a sua readiness para assumir maiores responsabilidades. E mais do que avaliar desempenho (passado) têm em consideração outros aspectos como a avaliação de competências (para lidar com situações futuras). O talento que as empresas procuram é precisamente o do colaborador que apresenta um desempenho e potencial adequados e o seu desafio consiste em potenciar o desempenho através de competências.

E como saber se está pronto para um novo desafio à luz da sua empresa?

1. Aprecia a empresa e evidencia sentido de pertença e contrato psicológico, o que lhe permite envolver-se para além da esfera dos seus compromissos pré-definidos e orgulhar-se desta.

2. Concilia resultados positivos com as competências valorizadas pela sua Organização, o que em última instância traduz a sua capacidade de reconhecer problemas e encontrar soluções para os mesmos, adaptando a sua atitude e o seu comportamento se necessário.

3. Expressa motivação e disposição para abraçar novos desafios e enveredar por processos de mudança, o que resulta da vontade demonstrada para evoluir, inteligência emocional, priorização do seu desenvolvimento profissional e pensamento estratégico.

Se pensarmos na forma como as empresas têm apostado na atracção e retenção de talentos, percebemos que as mesmas não pensam em contratar apenas para o Aqui e Agora mas para o Futuro. Daí o search de potenciais candidatos, o assessment de competências, a criação de pipe lines de talento para contratação, a aposta em programas de trainees, entre outras acções que têm presente a necessidade de atrair e reter potenciais talentos. É o employee value proposition e o employer branding para encontrar High Potentials, que tendencialmente irão apresentar desempenhos mais elevados, e promover o seu desenvolvimento e engagement.

Recomendadas

O Estado em todo o lado

Durante a pandemia, governos e cidadãos tomaram o gosto pela intervenção estatal. Se há uma oportunidade, o Estado interfere. Se houver receios, o cidadão dependente ressaca.

A reciclagem de madeira é uma das chaves do jogo no combate às alterações climáticas

O investimento em Investigação e Desenvolvimento bem como uma abordagem colaborativa são fulcrais para encontrar soluções.

2023, ano difícil para Portugal

Em termos estritamente económicos, 2022 está a ser um ano globalmente positivo para Portugal. O ano que vem será ainda mais desafiante.
Comentários