IPLeiria constrói cinco residências e renova sete num investimento de 25 milhões do PRR

Com este investimento, o Politécnico vai assegurar residências de estudantes em todas as cidades onde conta com oferta formativa, nomeadamente em Leiria, Caldas da Rainha, Peniche, Marinha Grande, Pombal e Torres Vedras.

O Politécnico de Leiria assinou os contratos de financiamento do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior (PNAES) que vão garantir 1.359 camas aos estudantes da instituição, mais 614 camas que as disponíveis atualmente.

O investimento totaliza 25 milhões de euros e vai ser financiado pelo Plano de Recuperação e resiliência (PRR).

O IPLeiria apresentou nove candidaturas ao PRR e todas foram aprovadas. Cinco dizem respeito a renovação e adaptação e quatro a novas construções.

Em concreto, o Convento de Santo Estevão será adaptado a residência universitário, sete atuais residências será renovadas: quatro em Leiria, duas nas Caldas da Rainha e uma em Peniche e cinco serão construídas em Leiria, Caldas da Rainha, Peniche e Pombal.

Além destas candidaturas, que correspondem a um aumento de 745 para 1.243 camas, o Politécnico de Leiria é ainda copromotor de mais três candidaturas dos municípios de Batalha, Marinha Grande e Torres Vedras, o que corresponde a mais 116 camas, fixando-se um total de 1.359 camas.

Com a aprovação destas candidaturas o Politécnico de Leiria assegurará residências de estudantes em todas as cidades onde conta com oferta formativa, quer seja em Escolas ou Núcleos de Formação, nomeadamente em Leiria, Caldas da Rainha, Peniche, Marinha Grande, Pombal e Torres Vedras.

“Finalmente firmámos um investimento muito importante para os nossos estudantes, que vão ter melhores condições de alojamento, o que no futuro pode ser um critério importante para futuros estudantes na escolha da instituição de ensino superior para realizar a sua formação académica”, afirma Rui Pedrosa, presidente do Politécnico de Leiria. “Os responsáveis dos municípios envolvidos também nos acompanharam e formalizaram este compromisso, e esperamos que os trabalhos se iniciem em breve, num projeto tão promissor e vantajoso para muitas regiões do nosso país”.

A cerimónia de assinatura dos contratos decorreu esta quinta-feira na Academia das Ciências de Lisboa e contou com a participação do primeiro-ministro António Costa, da ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Elvira Fortunato, e da ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva. Várias outras instituições de ensino superior assinaram igualmente contratos no âmbito do PNAES.

Na ocasião, António Costa anunciou que os 375 milhões de euros previstos inicialmente vão ser reforçados com 72 milhões. O objetivo é criar 26 mil camas para estudantes até 2026.

Recomendadas

Três praias de Oeiras interditadas a banhos

As praias de Caxias, Santo Amaro de Oeiras e Paço de Arcos foram interditadas a banhos, desde sexta-feira, depois das análises à qualidade da água revelarem valores microbiológicos acima dos parâmetros de referência, revelou hoje a Autoridade Marítima Nacional.

António Almeida-Dias: “Ao contrário do ensino superior estatal, não pedimos dinheiro ao Governo”

Presidente da APESP defende que Portugal tem muito a ganhar com um ensino superior privado que usufrua da autonomia e liberdade consagradas na Constituição e que o Estado limita. O setor privado da economia já demonstrou ser o motor da inovação e do progresso, diz.

Escola do Porto da Faculdade de Direito da Católica lança curso virado para organizações internacionais

International Studies Programme integra-se no Mestrado em Direito, é lecionado em inglês e tem coordenação de José Azeredo Lopes. Cumpre o propósito da internacionalização.
Comentários