Irão acusa Presidente francês de incentivo à violência com “declarações vergonhosas”

Macron recebeu quatro ativistas iranianas em Paris, na sexta-feira, à margem do Fórum da Paz, e elogiou a “revolução que estão a liderar” no Irão.

O Governo iraniano acusou este domingo o Presidente francês, Emmanuel Macron, de fazer declarações “lamentáveis e vergonhosas” sobre a contestação em curso no Irão, considerando mesmo tratar-se de um incentivo à violência.

Macron recebeu quatro ativistas iranianas em Paris, na sexta-feira, à margem do Fórum da Paz, e elogiou a “revolução que estão a liderar” no Irão.

“É uma violação flagrante das responsabilidades internacionais da França na luta contra o terrorismo e a violência e consideramos que favorece estes fenómenos sinistros”, disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Nasser Kanani, citado pela agência francesa AFP.

O Irão tem sido palco de protestos desde a morte, a 16 de setembro, de Mahsa Amini, uma mulher curda iraniana de 22 anos que tinha sido presa três dias antes pela polícia moral por violar o rigoroso código de vestuário da República Islâmica.

O protesto, que começou como uma rejeição das restrições de vestuário impostas às mulheres após a morte da jovem, evoluiu para um movimento dirigido contra a teocracia que tem governado o Irão desde a revolução islâmica de 1979.

A organização não-governamental Iran Human Rights, com sede em Oslo, anunciou, no sábado, que a repressão dos protestos provocou 326 mortos.

O balanço anterior divulgado pela mesma organização, que tem uma rede de informadores no Irão, era de 304 mortos.

A delegação recebida por Macron integrava Masih Alinejad, uma ativista iraniana baseada em Nova Iorque que está a encorajar as mulheres iranianas a protestar contra o véu obrigatório.

Macron manifestou às ativistas “respeito e admiração no contexto da revolução que estão a liderar”, segundo a AFP.

“As declarações de Macron sobre o seu apoio a esta chamada revolução liderada por estas pessoas são lamentáveis e vergonhosas”, disse Kanani.

O porta-voz referiu-se especificamente a Masih Alinejad, considerando “surpreendente que o Presidente de um país que reivindica a liberdade se rebaixasse a encontrar-se com uma pessoa odiada”.

Kanani acusou a ativista baseada em Nova Iorque de tentar “espalhar o ódio e levar a cabo atos violentos e terroristas no Irão e contra as representações diplomáticas do Irão no estrangeiro”.

Recomendadas

Maior cidade do sul da China volta a ser palco de confrontos violentos

Os vídeos mostram manifestantes a arremessar garrafas de vidro e barras metálicas contra as forças de segurança, que surgem a marchar em fileiras, protegidos por escudos antimotim transparentes.

Ucrânia teve “alguns milhares” de ciberataques este ano, diz ministro ucraniano

Mykhailo Fedorov, responsável pela pasta da Digitalização na Ucrânia, diz que os ataques informáticos acontecem diariamente e que proteger os dados da população não se mede em dólares.

Conselho de Ministros moçambicano aprova criação de fundo soberano

O Conselho de Ministros moçambicano aprovou hoje a criação do fundo soberano do país, cuja capitalização deverá arrancar com as receitas deste ano da plataforma Coral Sul, que começou a exportar gás do Rovuma há duas semanas.
Comentários