Irão apoia a nova intifada contra Israel e a “conspiração sionista” dos EUA

Os Guardas da Revolução do Irão mostraram-se ainda disponíveis para proporcionar “todo o apoio necessário” às forças de resistência palestinianas.

Raheb Homavand / Reuters

O Irão anunciou esta terça-feira o seu apoio aos movimentos de resistência da Palestina contra a decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, em reconhecer Jerusalém como capital de Israel. Os Guardas da Revolução do Irão mostraram-se ainda disponíveis para proporcionar “todo o apoio necessário” às forças de resistência palestinianas.

“Estamos orgulhosos do grande povo da Palestina pela sua resistência e sacrifício contra o inimigo sionista [Israel], e estamos certos de que a nova intifada continuará o seu caminho correto”, afirmou o presidente iraniano, Hassan Rohani. “Sem dúvida, o povo oprimido da Palestina e a comunidade islâmica vão resistir unidos contra esta conspiração sionista-norte-americana e vão frustrá-la”, acrescentou.

Hassan Rohani terá falado ao telefone com o líder político do Hamas, Ismail Haniye, segundo noticia a agência Reuters, numa conversa em que instou a Palestina a continuar com a nova intifada. “O primeiro passo é que todos os movimentos palestinianos se mantenham unidos, e deem uma resposta decisiva ao regime sionista e aos Estados Unidos”, sublinha.

O povo palestiniano iniciou uma nova intifada – a terceira da história da região – no passado dia 8, que ficou conhecido como o “dia da ira”. Por todo o país rompeu uma onda de protestos, que obrigou à mobilização das forças de segurança israelitas.

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Reino Unido poderá enfrentar cortes de energia durante o inverno

A informação foi avançada esta quinta-feira pela National Grid, empresa britânica que trabalha no sector. Uma situação que vem no contexto da crise energética na Europa.

Prémio Nobel da Literatura atribuído à escritora francesa Annie Ernaux

A Academia Sueca galardoou a autora pela “coragem e acuidade clínica com que descortina as raízes, os estranhamentos e os constrangimentos coletivos da memória pessoal”.
Comentários