Irão: EUA esperam que investigação da ONU permita identificar responsáveis pela repressão

Os Estados Unidos da América (EUA) saudaram hoje a aprovação pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU da criação de uma missão independente para investigar a repressão no Irão, esperando que sirva para identificar os responsáveis.

“A missão de investigação estabelecida hoje ajudará a garantir que os envolvidos na repressão violenta do povo iraniano sejam identificados e as suas ações documentadas”, disse o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, em comunicado.

Esta missão analisará as possíveis violações das liberdades fundamentais cometidas pelo regime iraniano nos protestos após a morte do jovem Mahsa Amini em setembro, em que mais de 300 pessoas já morreram -incluindo 40 crianças- e cerca de 15.000 foram detidas.

A decisão do Conselho de Direitos Humanos, segundo Blinken, mostra que este órgão “reconhece a gravidade da situação”.

O líder norte-americano reiterou a intenção do seu país de expulsar o Irão da principal comissão de mulheres da ONU pela repressão a esses protestos, conforme havia anunciado a vice-presidente norte-americana, Kamala Harris, no início deste mês.

“É importante que a comunidade internacional trabalhe em conjunto para garantir que o Irão não desempenhe nenhum papel na ONU ou em outros órgãos internacionais encarregados de proteger e promover os direitos das mulheres”, defendeu Blinken.

Harris, a primeira mulher a chegar à vice-presidência dos Estados Unidos, anunciou em 02 de novembro que Washington trabalhará com os seus aliados para retirar o Irão da Comissão das Nações Unidas sobre a Situação Legal e Social da Mulher, integrada por 45 países.

Recomendadas

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.

República Srpska: novo governo quer aproximação à Rússia e à China

Parte integrante da Bósnia-Herzegovina, a república sérvia-bósnia, novamente liderada por Milorad Dodik, continua a ter um comportamento desalinhado com o resto da federação.
Comentários