Irão executa quatro pessoas alegadamente espiões ao serviço de Israel

Os membros daquela rede roubaram e destruíram propriedade privada e pública e raptaram indivíduos e os interrogaram, acrescentou a IRNA, de acordo com a qual, o grupo tinha armas e recebia salários da Mossad, sob a forma de criptomoedas.

As autoridades iranianas executaram este domingo quatro pessoas acusadas de trabalhar para os serviços secretos Mossad de Israel, noticiou a agência noticiosa estatal IRNA.

A IRNA disse que a poderosa Guarda Revolucionária do país anunciou a detenção de uma rede de pessoas ligadas à agência israelita.

“Esta manhã, as sentenças contra quatro dos principais membros do grupo de bandidos ligados aos serviços secretos do regime sionista [Israel] foram executados, indicou a agência do poder judiciário Mizan Online, citada pela agência de notícias France-Presse (AFP).

Os membros daquela rede roubaram e destruíram propriedade privada e pública e raptaram indivíduos e os interrogaram, acrescentou a IRNA, de acordo com a qual, o grupo tinha armas e recebia salários da Mossad, sob a forma de criptomoedas.

Israel e o Irão são inimigos regionais.

A IRNA, citada pela agência de notícias Associated Press (AP), identificou os presos executados como Hossein Ordukhanzadeh, Shahin Imani Mahmudabadi, Milad Ashrafi e Manuchehr Shahbandi.

Recomendadas

Mali. ONU lança apelo por 688 milhões de euros para ajudar 5,7 milhões de pessoas

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou hoje um apelo por 751 milhões de dólares (688 milhões de euros) para dar resposta às necessidades urgentes de 5,7 milhões de pessoas no Mali.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Qatargate: Parlamento Europeu levanta imunidade dos acusados

O processo está a ser conduzido em tempo recorde, o que prova que a câmara sentiu o acontecimento como uma verdadeira catástrofe reputacional, como aliás disse a sua presidente, Roberta Metsola.
Comentários