Irão nega “categoricamente” qualquer ligação ao ataque a Salman Rushdie

“Os Versículos Satânicos” são considerados pelos muçulmanos radicais como uma blasfémia contra o Alcorão e o Profeta Maomé.

Brian Snyder/Reuters

O Irão negou esta segunda-feira “categoricamente” qualquer implicação no ataque ao escritor Salman Rushdie, responsabilizando antes o próprio autor de “Os Versículos Satânicos”, obra que há 33 anos lhe custou uma condenação à morte pelo líder espiritual iraniano.

“Desmentimos categoricamente” qualquer ligação entre o agressor e o Irão, disse o porta-voz dos Negócios Estrangeiros iraniano, Nasser Kanani, ao fim de três dias de silêncio sobre o ataque ao escritor, na sexta-feira, durante uma conferência em Chautauqua, no estado norte-americano de Nova Iorque.

Na sua conferência de imprensa semanal, o porta-voz insistiu que “ninguém tem o direito de acusar a República islâmica do Irão”.

“Neste ataque, apenas Salman Rushdie e os seus apoiantes merecem ser culpados e mesmo condenados”, acrescentou Kanani na primeira reação oficial do regime de Teerão à agressão ao escritor britânico de 75 anos.

“Ao insultar as coisas sagradas do Islão e ao ultrapassar linhas vermelhas de mais de 1,5 mil milhões de muçulmanos e de todos os adeptos das religiões divinas, Salman Rushdie expôs-se à cólera e à raiva das pessoas”, disse ainda.

Esfaqueado uma dezena de vezes no pescoço e no abdómen, Salman Rushdie permanece hospitalizado em estado grave, mas no sábado à noite conseguiu dizer algumas palavras e no domingo o seu agente, Andrew Wylie, afirmou que o escritor está no “caminho da recuperação”.

“Os ferimentos são graves, mas o seu estado evolui numa boa direção”, acrescentou, admitindo que o processo de recuperação do escritor será longo.

Ameaçado de morte desde uma ‘fatwa’ (decreto da lei islâmica) iraniana de 1989, um ano após a publicação de “Os Versículos Satânicos”, Salman Rushdie foi alvo de um ataque que chocou o Ocidente, mas que foi bem recebido por extremistas no Irão e no Paquistão.

O agressor, um jovem norte-americano de origem libanesa, foi no domingo presente a um juiz do estado de Nova Iorque, perante o qual se declarou “inocente” de tentativa de homicídio do escritor.

Segundo a acusação, o ataque foi premeditado.

O ataque, visto por muitos como um ataque à liberdade de expressão, foi condenado por líderes mundiais como o Presidente norte-americano, Joe Biden, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ou o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron.

As vendas do controverso livro de Rushdie dispararam desde sexta-feira e o romance está hoje no décimo primeiro lugar da lista de ‘best sellers’ da plataforma eletrónica de vendas Amazon.

Residente em Nova Iorque há 20 anos, Salman Rushdie tinha começado a retomar uma vida mais ou menos normal enquanto continuava a defender a sátira e a irreverência nos seus livros.

“Os Versículos Satânicos” são considerados pelos muçulmanos radicais como uma blasfémia contra o Alcorão e o Profeta Maomé.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários