Irão promete “resposta proporcional” à redução dos laços com a Ucrânia

A Ucrânia decidiu reduzir os laços diplomáticos com o Irão, depois de ter sido noticiado que esse país forneceu drones à Rússia. Este sábado, o Irão veio prometer uma “resposta proporcional”.

O Irão está a preparar uma “resposta proporcional” à decisão da Ucrânia de reduzir os laços diplomáticos, depois de ter sido noticiado que a Rússia recebeu drones iranianos.

“[A Ucrânia] deveria evitar ser influenciada por partes alheias que querem destruir as relações entre os dois países”, sublinhou o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Irão este sábado, num comunicado citado pela Reuters.

De notar que, na sexta-feira, as autoridades ucranianas anunciaram que iriam retirar a acreditação ao embaixador iraniano e reduzir de modo significativo o pessoal diplomático na embaixada iraniana em Kiev. Isto depois de ter sido noticiado que Teerão terá fornecido drones às forças russas.

O Irão negou, em momentos anteriores, ter fornecidos este tipo de equipamentos à Rússia, mas a imprensa avançou esta semana que “centenas de drones armados” foram vendidos a esse país. “É uma colaboração com o mal”, considerou o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy.

Recomendadas

Mundial2022: Qatar condena campanha “infundada” em resposta a críticas do PE

O Qatar condenou a resolução adotada na semana passada pelo Parlamento Europeu (PE) criticando a sua escolha como sede do Mundial de futebol em curso e denunciou uma campanha “infundada” assente em “acusações falsas e informação enganosa”.

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Sociedade civil são-tomense pede investigação internacional a “triste episódio” com quatro mortos

A sociedade civil são-tomense pediu hoje aos parceiros de cooperação uma “investigação internacional urgente” sobre o “triste episódio” do ataque ao quartel militar, na sexta-feira, em que morreram quatro pessoas, alegadamente após “agressão e tortura”.
Comentários