Irão: Um dos mais conhecidos futebolistas preso por “propaganda” contra o Estado

As autoridades iranianas prenderam hoje o famoso jogador de futebol Voria Ghafouri, acusado de ter “insultado e difamado a reputação da seleção nacional (Team Melli) e de ter feito propaganda” contra o Estado, reportou a agência noticiosa Fars.

Segundo a Fars, Ghafouri foi detido após um treino da sua equipa, a Foolad (‘aço’, em persa), do Cuzistão por decisão das autoridades judiciais.

O jogador de futebol de 35 anos, natural de Sanandaj, capital da província do Curdistão iraniano, publicou uma fotografia na conta pessoal da rede social Instagram trajando roupas tradicionais curdas.

Ex-capitão do Esteghlal, o clube mais conhecido do país, foi forçado do emblema em julho devido às repetidas críticas às autoridades.

Um movimento de protesto está a abalar o Irão desde a morte, a 16 de setembro, de Mahsa Amini, uma curda iraniana de 22 anos, que morreu três dias depois de ser presa pela polícia dos costumes em Teerão por ter, supostamente, quebrado o código de indumentário, ao usar incorretamente o ‘hijab’, o véu islâmico.

Desde o início dos protestos, pelo menos 426 pessoas foram mortas e mais de 17.400 foram detidas, de acordo com os Human Rights Activists in Iran (Ativistas dos Direitos Humanos no Irão), grupo que monitoriza o movimento de contestação em curso, segundo o qual pelo menos 55 membros das forças de segurança iranianas foram também mortos.

Recomendadas

Bruxelas quer que plataformas passem a cobrar IVA para evitar concorrência desleal

De acordo com as atuais regras de IVA, são os próprios prestadores de serviço – sejam motoristas ou donos de alojamento local – que são obrigados a coletar o IVA e a remiti-lo para as autoridades tributárias do seu país.

Alemanha e França condenam regime iraniano pela execução de manifestante

Este homem, Mohsen Shekari, “foi julgado e executado num julgamento pérfido e precipitado, porque não concordava com o regime”, declarou a chefe da diplomacia alemã, acrescentando que a ameaça de execução “não sufocará a vontade de liberdade das pessoas”.

Xi Jinping em viagem histórica à Arábia Saudita

O presidente chinês estará três dias na Arábia Saudita, com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman a promover o encontro de forma bem mais festiva que aquela que reservou para o presidente dos Estados Unidos em julho passado.
Comentários