Iraque abre investigação sobre desvio de 2,5 mil milhões de euros de fundos fiscais

O primeiro-ministro assegurou nas redes sociais que a resolução deste escândalo assume um caráter prioritário. “Não hesitaremos em adotar medidas para prevenir e punir a corrupção, que se espalhou descaradamente nas articulações do Estado e das suas instituições”, disse o chefe do Governo em relação ao longo histórico de corrupção que afeta o Iraque, que ocupa a posição 157 entre 180 países que integram o Índice de Transparência Internacional.

O Governo iraquiano anunciou uma investigação para descobrir o paradeiro de 2,5 mil milhões de euros roubados de um fundo bancário da autoridade tributária, naquele que já é considerado um dos maiores escândalos da história recente do país.

A investigação foi anunciada no sábado pelo ministro iraquiano do Petróleo, Ihsan Abdul Jabbar, e confirmada pelo primeiro-ministro, Mohamed Shia al Sudani.

Segundo adiantou o Ministério das Finanças iraquiano, citado pela agência de notícias Europa Press, um grupo – cujo identidade não foi revelada – apropriou-se de cerca de 2,5 mil milhões de euros em moeda local que pertenciam a fundo da Autoridade Tributária Geral do Iraque e que estava depositado no banco Rafidain.

El Rafidain, o maior banco do Iraque, com 165 agências no Iraque e escritórios no Cairo, Beirute ou Abu Dhabi, já garantiu que não tem nada a ver com o furto desse valor astronómico, recolhido entre setembro de 2021 e agosto de 2022.

“A tarefa do banco limitou-se a desembolsar os títulos da Autoridade Tributária Geral das suas agências após verificar a validade da sua emissão”, explicou o banco em comunicado divulgado pela agência oficial de notícias iraquiana INA.

O primeiro-ministro assegurou nas redes sociais que a resolução deste escândalo assume um caráter “prioritário”.

“Não hesitaremos em adotar medidas para prevenir e punir a corrupção, que se espalhou descaradamente nas articulações do Estado e das suas instituições”, disse o chefe do Governo em relação ao longo histórico de corrupção que afeta o Iraque, que ocupa a posição 157 entre 180 países que integram o Índice de Transparência Internacional.

Recomendadas

Rodrigo Pacheco reeleito presidente do Senado do Brasil

Apesar de não ser do Partido dos Trabalhadores, o candidato eleito era apoiado pelo novo presidente Inácio Lula da Silva.

EUA: Powell reconhece primeiros sinais de alívio na inflação, mas é “prematuro declarar vitória”

O presidente da Fed afastou cortes de juros este ano, embora admita que a inflação começa a dar sinais de abrandamento. O caminho ainda é longo e a ‘aterragem suave’ continua em cima da mesa, tal como uma taxa terminal abaixo de 5%.

Papa critica “forças internas e externas” que causam violência na RDCongo

O Papa Francisco pediu para os habitantes “não se deixarem seduzir por pessoas ou grupos que incitem à violência”, criticando as forças “externas e internas” que causam violência no país.
Comentários