Iraque regressa ao caos, de onde nunca chegou a sair

O Iraque não conseguiu formar um governo desde que realizou eleições parlamentares em outubro do ano passado. Quase um ano depois, diversos grupos xiitas desentenderam-se e a ingovernabilidade é a consequência.

Mais de nove meses após as eleições parlamentares de outubro de 2021 no Iraque, os líderes políticos não conseguiram formar um governo. A crise política atingiu um ponto de ebulição quando manifestantes, a maioria apoiantes do líder xiita Muqtada al-Sadr (um dos mais poderosas do país), invadiram o parlamento iraquiano para protestar contra a corrupção e um dos candidatos a primeiro-ministro.

Al-Sadr ordenou que o seu bloco parlamentar renunciasse em massa em junho passado, depois de o parlamento não conseguiu formar governo – e isso veio aumentar ainda mais o impasse político em que o país se encontra.

Os manifestantes opõem-se à indicação de um candidato a primeiro-ministro de uma aliança rival apoiada pelo Irão: Mohammed Shia al-Sudani, ex-ministro e ex-governador provincial, é a escolha do Quadro de Coordenação pró-Irão. Al-Sadr rejeitou sua candidatura – e os analistas temem que o caos não desapareça, tanto mais que tudo acontece no seio do xiismo, a fação muçulmana que lidera o Irão.

“Al-Sudani representa apenas uma desculpa muito conveniente para Muqtada al-Sadr expressar o seu descontentamento com a Estrutura de Coordenação e o sistema político no Iraque”, disse Marsin Alshamary, investigador da Harvard Kennedy School, à Al Jazeera. Admitindo que a recusa no apoio dar-se-ia em relação a qualquer candidato, o investigador salienta que “Al-Sudani representa uma das figuras menos controversas do Quadro de Coordenação”.

O bloco de Al-Sadr tinha 74 lugares no parlamento, a maior fação em 329 cadeiras. A aliança Fatah – o bloco político da milícia pró-Irão Forças de Mobilização Popular – sofreu uma perda devastadora nas eleições.

Já depois do início das manifestações, al-Sadr repetiu o seu compromisso de formar um “governo de maioria nacional” representando diferentes fações e etnias, desde os sunitas aos curdos. Mas a intenção de al-Sadr é manter a influência do ex-primeiro-ministro Nouri al-Maliki fora da zona de poder. De qualquer modo, o Fatah alerta para a possibilidade de intensificação da violência se os grupos sunitas e curdos se juntarem a al-Sadr.

Durante meses, al-Sadr, que diz ser um crítico tanto da influência iraniana como da norte-americana no Iraque, exerceu forte oposição aos grupos apoiados pelo Irão. Um dos problemas desta divisão é que o poder no Iraque, um pouco como no Líbano, funciona por quotas (muhasasa) atribuídas a xiitas, sunitas e curdos.

Assim, apesar da vitória eleitoral de al-Sadr, a lei iraquiana exige uma super-maioria de dois terços para eleger um presidente, o que não foi possível obter – e o governo só pode ser formado quando um presidente é eleito.

Ao ordenar a renúncia do seu bloco, al-Sadr abriu caminho para que o Quadro de Coordenação formasse um governo. Agora, os analistas alertam para que uma cisão entre os grupos xiitas do Iraque, sem precedentes, pode lançar o país na ingovernabilidade.

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

Guterres encontra-se em Lviv com Zelensky e Erdoğan; Pelo menos 21 mortos em explosão na mesquita de Cabul; Agência Internacional de Energia vai liderar delegação na central nuclear de Zaporizhzhia

Senadora republicana Lisa Murkowski crítica de Trump vence primárias no Alasca

Segundo as projeções dos principais meios dos EUA, Murkowski venceu as eleições, derrotando uma vintena de concorrentes, entre os quais uma candidata apoiada por Trump, a também republicana Kelly Tshibaka.
Comentários