Irlanda do Norte em alerta: número de católicos ultrapassa o de protestantes

Como se não bastasse a vitória do Sinn Féin nas últimas eleições, a composição sociológica da pequena parte da ilha que permanece fiel a Londres está a mudar, segundo os censos de 2021. Mais uma preocupação para Liz Truss no que toca à hegemonia territorial do Reino Unido.

Segundo os estudos que acompanham os censos de 2021 divulgados esta quinta-feira, já era esperado que houvesse uma mudança relativa entre católicos e protestantes na Irlanda do Norte e essa mudança acaba de se consumar: os católicos superam os protestantes na Irlanda do Norte pela primeira vez.

Citados pelo jornal “The Guardian”, os resultados foram descritos como “um momento seminal” pelos líderes dos partidos republicanos irlandeses – que são a favor da separação do Reino Unido e da reunificação da Irlanda numa república que agregue toda a ilha. E são os republicanos que estão no poder na Irlanda do Norte desde as últimas eleições de maio deste ano, que ditaram a vitória do Sinn Féin.

Como é tradicional, a população católica – que historicamente sofreu as mesmas perseguições de que eram alvo os protestantes que viviam no continente – vota maioritariamente nos republicanos e só residualmente nos unionistas. Ou seja, partidos como o Partido Unionista Democrático (DUP), tradicional aliado dos conservadores britânicos e vencedor de dezenas de eleições, podem agora começar a ter alguma dificuldade de voltar ao poder.

Citado pela imprensa britânica, John Finucane, um membro proeminente do principal partido republicano, o Sinn Fein, pediu preparativos para a “possibilidade de um referendo sobre a unidade” – juntando-se assim a um movimento idêntico que existe com assinalável força na Escócia: a sua primeira-ministra, Nicola Sturgeon é membro do Partido Nacional Escocês, firme adepto da separação. “A partição da Irlanda foi um fracasso. Podemos construir juntos um futuro melhor, para cada pessoa que vive nesta ilha”, disse o deputado após o anúncio dos resultados do censos.

Evidentemente que nem todos os católicos são republicanos – como com certeza nem todos os protestantes são unionistas – mas este dado, a acrescentar à vitória do Sinn Féin, não pode deixar descansados os políticos de Londres. Que, ainda por cima, sabem que a capacidade de o rei Carlos III manter a integridade do território não será com toda a certeza a mesma da da sua mãe, a recentemente desaparecida Isabel II.

Pior ainda, os irlandeses – republicanos, unionistas ou quaisquer outros – têm bastas razões para se sentirem incomodados com a forma como o poder de Londres os tem tratado desde que o referendo ao Brexit impediu a continuação na União Europeia. O Protocolo da Irlanda é a pior parte do Brexit – dizem os de cá e os de lá do Canal da Mancha – e ao cabo de muitos meses ainda ninguém conseguiu encontrar uma forma de solucionar o problema. Por uma razão simples: porque não há uma forma de solucionar o problema – a não ser que, por artes mágicas, a fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda possa estar ao mesmo tempo aberta e fechada.

Ao mesmo tempo, os norte-irlandeses observam a República da Irlanda como o país da União Europeia com os índices de crescimento do PIB mais interessantes dos 27 e por certo hão-de questionar-se sobre se haverá uma boa razão para não estarem inseridos nesse mundo. Um tema que com certeza marcará a agenda política de Liz Truss no futuro imediato.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários